Concurso IFB 2016: Conteúdo programático atualizado para Professor do Magistério

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB) divulgou conteúdo programático atualizado do concurso IFB 2016 para provimento de cargo da carreira de Professor do Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (nível superior).

CONHECIMENTOS GERAIS DE LEGISLAÇÃO: TODAS AS ÁREAS DE CONHECIMENTO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. Constituição Federal de 1988: Da Administração Pública (artigos 37 a 41).
2. Lei nº 8.112/90 e alterações posteriores: Do Provimento, Vacância, Remoção,
Redistribuição e Substituição (artigos 5º ao 39); Dos Direitos e Vantagens ( artigos 40 a 115); Do Regime Disciplinar ( artigos 116 a 142).
3. Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal: Decreto nº 1.171/94, e suas atualizações.
4. Lei nº 11.892/08 e suas alterações posteriores: Das Finalidades e Características dos Institutos Federais ( artigo 6º); Dos Objetivos dos Institutos Federais (artigos 7º e 8º) e Da Estrutura Organizacional dos Institutos Federais (artigos 9º a 13).
5. Lei nº 9.394/96 e suas alterações posteriores: Da Educação (artigo 1º); Dos Princípios e Fins da Educação Nacional (artigos 2º e 3º); Do Direito à Educação e do Dever de Educar (artigos 4º a 7º); Da Organização da Educação Nacional (artigos 13 a 15); Dos Níveis e das Modalidades de Educação e Ensino (artigos 21 a 28 e 32 a 67).

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 101

ÁREA DE CONHECIMENTO: ALIMENTOS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Química e bioquímica de alimentos.
2. Alterações provocadas pelo processamento e armazenamento de alimentos.
3. Métodos de conservação de alimentos.
4. Microbiologia de alimentos.
5. Tecnologia de processamento de carnes e derivados.
6. Tecnologia de processamento de leite e derivados.
7. Tecnologia de processamento de pescado.
8. Tecnologia de processamento de vegetais.
9. Embalagens para alimentos.
10. Limpeza e sanitização na indústria de alimentos.
11. Ferramentas de controle de qualidade e segurança de alimentos.
12. Análise sensorial de produtos alimentícios.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. FELLOWS. P. J. Tecnologia do Processamento de Alimentos, Princípio e Prática.2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.
2. GALVÃO, J. A., OETTERER, M. Qualidade e processamento de pescado. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier , 2014.
3. MINIM. V. P. R. Análise sensorial estudos com consumidores. 1. ed. Viçosa: UFV, 2006.
4. EVANGELISTA, J. Tecnologia de Alimentos. 2. ed. São Paulo: Atheneu, 2008. 652 p.
5. GONÇALVES, A. A. Tecnologia do Pescado: Ciência, Tecnologia, Inovação e Legislação. 1. ed. São Paulo: Atheneu, 2011.
6. FRANCO, B.D.G.M., LANDGRAF, M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Atheneu, 2008.
7. JAY, J. M. Microbiologia de alimentos. 1. ed. Porto Alegre: Artmed. 2005. 711 p.
8. DUTCOSKY, S. D. Análise Sensorial. 1. ed. Curitiba, 1996.
9. DAMODARAN, S.; PARKIN, KIRK L.; FENNEMA, O. R. Química de alimentos de Fennema. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.
10. FORSYTHE, S. J. Microbiologia da segurança alimentar. Porto Alegre: Artmed, 2002.
11. GAVA, A. J.; SILVA, C. A. B.; FRIAS, GAVA, J. R. Tecnologia de alimentos: princípios e aplicações. São Paulo: Nobel, 2009.
12. OETTERER, M.; D’ARCE, M. (Org.) ; SPOTO, M.H.F. (Org.) ; SARMENTO, S. (Org.); ALCARDE, A. R. (Org.) . Fundamentos de Ciência e Tecnologia de Alimentos. 1. ed. Barueri, SP: Manole, 2006.
13. ORDÓÑEZ PEREDA, J. A. et al. Tecnologia de alimentos: componentes dos alimentos e processos, volume 1. Porto Alegre: Artmed, 2005.
14. ORDÓÑEZ PEREDA, J. A. et al. Tecnologia de alimentos: alimentos de origem animal, volume 2. Porto Alegre: Artmed, 2007.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 102

ÁREA DE CONHECIMENTO: ARTES
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

1. Abordagens teórico metodológicas do ensino da arte: histórico e perspectivas atuais;
2. Referencial Curricular Nacional em Arte para o Ensino Médio;
3. Movimentos artísticos nos séculos XVI, XVII, XVIII e XIX no Brasil e na Europa;
4. Vanguardas Artísticas Europeias do Séc. XX e suas implicações na arte brasileira;
5. Arte Contemporânea e suas transformações a partir da década de 1960: Pop Art, Arte
Conceitual, Land Art, Arte Povera, Hiperrealismo, Body Art, Arte Urbana;
6. História da Música – Do períodos Medieval ao Moderno;
7. O Ensino de Arte no contexto escolar – teoria, métodos e perspectivas;
8. Principais metodologias da educação musical.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.

1. ARCHER, Michael. Arte contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
2. ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
3. BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos 1980 e novos tempos. São Paulo: Perspectiva, 2009.
4. BIVAR, A; PAULINI, L. Histórias do Brasil para Teatro. São Paulo: Novo século, 2007.
5. BOAL. A. 200 exercícios e jogos para o ator e o não-ator com vontade de dizer algo através do teatro. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1989.
6. BRASIL. Orientações curriculares para o ensino médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação-Secretaria de Educação Básica, 2006. https://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf
7. CONDURU, Roberto. Arte afro-brasileira. Belo Horizonte: C/Arte, 2007.
8. FERRAZ, M. H. de T; FUSARI, M. F. de R. Metodologia do ensino de arte. São Paulo: Cortez, 1999.
9. FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. De tramas e fios: um ensaio sobre música e educação. São Paulo: UNESP; Rio de Janeiro: FUNARTE, 2008.
10. GOMBRICH, Ernst H. A história da arte. Rio de Janeiro: LTC, 1999.
11. GROUT, D. J.; PALISCA, C. V. História da Música Ocidental. Trad.: Ana Luísa Faria. Lisboa: Gradiva, 2005.
12. MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa; GUERRA, Maria Terezinha Telles. Didática do ensino da arte: poetizar, fruir e conhecer arte. São Paulo: FTD, 1998.
13. MATEIRO, Tereza; ILARI, Beatriz. (Org.) Pedagogias em Educação Musical. Curitiba: Inter Saberes, 2012.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 103

ÁREA DE CONHECIMENTO: ARTES VISUAIS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. A arte moderna nacional e internacional.
2. A arte contemporânea nacional e internacional.
3. A diversidade da expressão artística.
3.1. A diversidade na expressão tridimensional.
3.2. A diversidade na pintura.
4. Técnicas e processos na execução das artes visuais.
4.1. Técnicas e procedimentos básicos da formação da imagem pictórica: óleo, têmperas, encáustica, acrílica e materiais pictóricos alternativos.
4.2. Pintura Convencional, Matérica e Pintura e Objeto.
4.3. Modalidades de suportes: convencional e alternativos.
4.4. Pigmentos minerais naturais, Pigmentos sintéticos e corantes.
4.5. Teoria das Cores: cor luz, cor pigmento, círculo cromático, escala cromática, contraste simultâneo e simbologia das cores.
4.6. Processos não-convencionais e processos convencionais na escultura; suas possibilidades de inserção na produção em arte contemporânea.
4.7. Escultura: aspectos formais e conceituais.
4.8. Escultura: noções de movimento, equilíbrio, peso, leveza, volume, ritmo, espaço e noção de tempo.
5. Estética e História da Arte.
6. Organização do espaço de trabalho.
6.1. Equipamentos e instrumentos para a organização de um laboratório de expressão artística.
6.2. Normas de limpeza, segurança e uso coletivo de espaço de trabalho.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ARCHER, Michael. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
2. ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
3. BARROS, Lilian Ried Miller. A cor no processo criativo: um estudo sobre a Bauhaus e a teoria das cores. Ed. Senac São Paulo. 2009
4. CANTON, Kátia. Novíssima arte brasileira: um guia de tendências. São Paulo: MACUSP/Iluminuras/ FAPESP, 2001.
5. CARTAXO, Zalinda. Pintura em Distensão. Rio de Janeiro: Oi Futuro, 2006
6. CAUQUELIN, Anne. Arte contemporânea: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
7. CAVALCANTI, Carlos. Como Entender a Pintura Moderna. Rio de Janeiro: Rio, 1975
8. CHEVALIER, Jean. Et al. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos; formas figuras, cores, números. Rio de Janeiro: José Olympio, 1997.
9. CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. São Paulo: Lemos, 1999.
10. CHICÓ, Mario Tavares. Dicionário de Pintura Universal. Lisboa: Estudios Cor, 1973.

11. DIDI-HUBERMAN, Georges. A Pintura Encarnada. São Paulo, Escuta. 2012.
12. FARINA, Modesto. Psicodinâmica das cores em comunicação. ed. Edgard Blucher, São Paulo. 1990.
13. GREENBERG, Clement. “A nova escultura”. In: FERREIRA, G.; COTRIM, C. (org.)
Clement Greenberg e o debate crítico. Rio de Janeiro: FUNARTE/Zahar, 1997. p.67-74
14. HALL, Edward. A dimensão oculta. São Paulo, Martins Fontes, 2005.
15. HUCHET, Stéphane. A plástica exponencial da arte (1900-2000). Belo Horizonte: C/Arte, 2012.
16. HUCHET, Stéphane. “A instalação em situação”. ARTE & ENSAIOS, Rio de Janeiro, UFRJ, n.12, 2005. P.64-79.
17. KRAUSS, Rosalind. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
18. KRAUSS, Rosalind. “A escultura no campo ampliado”. ARTE&ENSAIOS, Rio de Janeiro, UFRJ, ano XV, n.º 17, dez 2009.p.128-137.
19. KWON, Miwon. Um lugar após o outro: anotações sobre site-specificity. ARTE & ENSAIOS, Rio de Janeiro, UFRJ, v.15, n.º 17, p. 167-187, dezembro de 2008.
20. LÈGER, Fernand. Funções da Pintura. São Paulo: Nobel, 1989.
21. MOTTA, Edson. Iniciação à Pintura. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1976.
22. MORAES, Angélica. Pintura Reencarnada. São Paulo. IMESP, 2006.
23. PEDROSA, Israel. Da Cor a Cor Inexistente. Rio de Janeiro, Editorial Ltda, 1997.
24. READ, Herbert. Uma História da Pintura Moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

25. CONDURU, Roberto. Arte afro-brasileira. Belo Horizonte: C/Arte, 2007.
26. FERREIRA, Glória. (org). Escritos de artistas. Anos 60/70. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.
27. FOSTER, Hal, O retorno do real: a vanguarda no final do século XX, São Paulo: Cosac Naify, 2014.
28. O’DOHERTY, Brian, No interior do cubo branco: A ideologia do Espaço da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
29. ZANINI, Walter (org.). História Geral da Arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, 1983, 1 e 2 vol.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 104

ÁREA DE CONHECIMENTO: CONTABILIDADE
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Contabilidade Geral.
1.1 Evolução Histórica do Ensino da Contabilidade no Brasil.
1.2 Fundamentos, Princípios e Convenções Contábeis.
1.3 Regime de Competência e Regime de Caixa.
1.4 Demonstrativos Contábeis.
1.5 Análise dos Demonstrativos Contábeis.
2. Contabilidade de Custos.
2.1 Terminologia e Propósitos de Custos. Gastos: Custos, Despesas e Investimentos.
2.2 Classificação e Comportamento dos Custos.
2.3 Sistemas e Métodos de Custeamento: Custeio por Absorção, Custeio Variável e Custeio Baseado em Atividades (ABC).
3. Contabilidade Gerencial.
3.1 Relação Custo x Volume x Lucro.
3.2 Margem de Contribuição e Margem de Segurança.
3.3 Precificação.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ATKINSON, Anthony A.; BANKER, Rajiv D.; KAPLAN, Robert S. e YOUNG, S. Mark. Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, 2011.
2. BRUNI, Adriano Leal; FAMÁ, Rubens. Gestão de Custos e Formação de Preços. São Paulo: Atlas, 2012.
3. MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. São Paulo: Atlas, 2012.
4. MARION, José Carlos. Análise das Demonstrações Contábeis. São Paulo: Atlas, 2012.
5. MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos: livro-texto. São Paulo: Atlas, 2010.
6. PADOVESE, Clóvis Luís. Contabilidade Gerencial: um enfoque em Sistema de Informação Contábil. São Paulo: Atlas, 2010.
7. RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral Fácil. São Paulo: Saraiva, 2013.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 105

ÁREA DE CONHECIMENTO: DANÇA/ARTES CÊNICAS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. O Jogo como Princípio da Encenação.
2. Princípios do Teatro Pós-dramático.
3. Cena como Linguagem: As Vanguardas do Século XX.
4. Grandes Rupturas no Teatro Brasileiro.
5. Modalidades de Treinamento Físico.
6. Cultura Popular e Teatralidade.
7. Ramificações de Stanislavski.
8. Sistema Dramático e Sistema Épico.
9. A Influência da Performance no Teatro .
10. Teatro-educação.
11. Valor artístico-educativo da dança e o Sistema Laban/Bartenieff.
12. Ensino-aprendizagem em dança.
13. Dança como expressão teatral.
14. Estudos do corpo.
15. Performance e dança/arte.
16. Cultura popular e danças populares tradicionais brasileiras.
17. Danças populares como espetáculo.
18. A utilização da improvisação em dança.
19. Interdisciplinaridade artística.
20. Processo coreográfico.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ASLAN, Odette. O Ator no Século XX. São Paulo: Perspectiva, 1994.
2. BARBA, Eugenio & SAVARESE, Nicola. A Arte Secreta do Ator. São Paulo: Hucitec, 1995
3. CARLSON, Marvin. Teorias do Teatro. São Paulo: Unesp,1997
4. FERAL, J. Teatro Além dos Limites: Teoria e Prática. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2015.
5. GROTOWSKI, J. O Teatro Laboratório de Jerzy Grotowski, 1959-1969. São Paulo, Ed. Perspectiva, 2010
6. LEHMANN, Hans-Thies. O teatro pós-dramático. São Paulo, Cosac Naify, 2007.
7. PAVIS, P. A Encenação Contemporânea – Origens, Tendências, Perspectivas. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2013
8. PUPO, Maria Lúcia. Entre o Mediterrâneo e o Atlântico: Uma Aventura Teatral. São Paulo: Perspectiva, 2005.
9. RYNGAERT, J. . Ler o Teatro Contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
10. STANISLAVSKI, C. A Criação de um Papel. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 200
11. LABAN, Rudolf. Dança educativa moderna. São Paulo: Ícone, 1990.
12. LABAN, Rudolf. Domínio do movimento. São Paulo: Summus, 1978.
13. MARQUES, Isabel. A Linguagem da Dança: Arte e Ensino. São Paulo: Digitexto, 2010.
14. FERNANDES, Ciane. O Corpo em Movimento: O Sistema Laban/Bartenieff na Formação e Pesquisa em Artes Cênicas. 2ª Ed. São Paulo: Annablume, 2006.
15. COHEN, Renato. A Performance como Linguagem. São Paulo, Perspectiva, 2007.
16. LE BRETON, David. Antropologia do corpo e modernidade. Tradução de Fábio dos Santos Creder. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.
17. MONTEIRO, Marianna F.M. Dança popular: espetáculo e devoção. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.
18. SANTOS, Inaicyra Falcão dos. Corpo e Ancestralidade: uma Proposta Pluricultural de dança arte- educação. 2. ed. São Paulo: Terceira Margem, 2006.
19. OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de Criação. Petrópolis: Vozes, 2004.
20. NACHMANOVITCH, Stephen. Ser Criativo: o poder da improvisação na vida e na arte. Summus, 1993.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 108

ÁREA DE CONHECIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Educação Física Escolar e seus significados curriculares.
2. Didática da Educação Física Escolar.
3. O esporte como conteúdo de ensino da Educação Física Escolar.
4. Princípios e aplicações do Treinamento Esportivo no contexto escolar.
5. Aspectos fisiológicos relacionados ao exercício físico.
6. Atividade Física adaptada à pessoas com necessidades especiais.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. GREGUOL, Márcia; COSTA, Roberto Fernandes da. Atividade Física Adaptada: Qualidade De Vida Para Pessoas Com Necessidades Especiais. 3ª ed, São Paulo: Manole, 2013;
2. FOSS Merle L., KETEYIAN, Steven. J. Fox – Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte. 6a ed. Rio de. Janeiro, Guanabara Koogan, 2014.
3. KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte. 7 a ed. Ijuí, Unijuí, 2006.
4. TUBINO, Manoel José Gomes. Dimensões sociais do esporte. 2 a ed. São Paulo, Cortez, 2001.
5. MATTHIESEN, Sara. Quenzer. Atletismo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.
6. Brasil. Ministério da Educação. Orientações curriculares para o ensino médio: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.
7. JUNIOR, Dante de Rose. Modalidades esportivas coletivas. 1 a ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2006.
8. BETTI, Mauro; ZULIANI, Luiz Roberto. Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. 1(1):73-81, 2002.
9. VAGO, Tarcísio Mauro. O esporte na escola e o esporte da escola: da negação radical para uma relação de tensão permanente. Movimento – Ano III – Nº 5 /2, 1996.
10. RODRIGUES, Heitor de Andrade; DARIDO, Suraya Cristina. A técnica esportiva em aulas de educação física: um olhar sobre as tendências socioculturais. Movimento, v. 14, n. 02, p. 137-154, 2008.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 109

ÁREA DE CONHECIMENTO: ENFERMAGEM SEGURANÇA DO TRABALHO
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Doenças Ocupacionais: Causas e prevenções das doenças profissionais e doenças do trabalho. Relação das doenças ocupacionais a Classificação Internacional de Doenças (CID-10) e a Portaria nº 3999/99 do MS/GM. Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho. Dermatoses ocupacionais, prognóstico, seus fatores de risco e medidas de prevenção. Intoxicações no ambiente de trabalho. Pneumoconioses e afecções respiratórias. Perda Auditiva Induzida pelo Ruído Ocupacional. Etapas para elaboração de um PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, de acordo com a NR 7.
2. Primeiros Socorros: Aspectos legais dos primeiros socorros. Identificação de sinais vitais, de sinais e sintomas críticos. Parada cardiorrespiratória: parada respiratória e parada cardíaca, tratamento de parada respiratória e parada cardíaca, tratamento de parada cardiorrespiratória. Estado de choque: hemorragia visível, nasal, de esôfago, estômago ou duodeno, dos pulmões, por via vaginal, invisível. Ferimentos: no tórax, no abdome, nos olhos, com presença de objeto encravado, amputação. Fraturas, entorses e luxações. Vertigens, desmaios e crises convulsivas. Distúrbios causados pelo calor. Choques elétricos. Afogamentos. Corpos estranhos no organismo. Intoxicação. Mordidas e picadas de animais. Transporte de pessoas acidentadas em maca e sem maca. Kit de primeiros socorros na empresa.
3. Técnicas de Salvamento: Segurança e proteção – princípios e procedimentos básicos de segurança nas ações de salvamento. Meios empregados na proteção e segurança. Procedimentos operacionais básicos. Linguagens empregadas nas formas de comunicação durante assistência de vítimas. Utilização do Código Q (Código Fonético Internacional). Siglas, alfabetos e numerações empregados pelas forças de segurança e de atendimento pré-hospitalar. Rotas de fuga e abandono de área. Plano de Ação em Emergência: execução e treinamento. Controle do Pânico e Aspectos Psicoemocionais. Técnicas básicas utilizadas no resgate em altura. Cordas, nós e amarrações.
4. Ergonomia: LER, Epidemiologia, Epistemologia e modelos de causa. Ergonomia na Indústria. Ferramentas de Avaliações Ergonômicas – Moore & Garg, Suzanne Rodgers, Questionários Bipolares, RULA, Check list do Couto. Laudo Técnico Ergonômico (NR 17). Aspectos Psicossociais e Emocionais. Antropometria. Sistemas de Gestão em Saúde Ocupacional. Ergonomia na Saúde Mental. Comitê de Ergonomia – COERGO. Programa de Ginástica Laboral – Elaboração, Negociação e Prática.
5. Higiene e Segurança do Trabalho: Classificação e reconhecimento dos riscos. Contaminantes químicos. Contaminantes sólidos e líquidos. Contaminantes gasosos. Medidas de controle coletivo para agentes químicos. Medidas de controle individual. Equipamentos de avaliação de contaminantes sólidos e líquidos. Riscos relativos ao manuseio, armazenagem e transporte de substâncias agressivas. Riscos Físicos: Radiação ionizante. Radiações não ionizantes. Rádio-freqüência. Radiação infravermelha. Radiação ultravioleta. Pressões elevadas e baixas. Ruído. Vibrações. Sobrecarga térmica. Riscos Biológicos: vírus, bactérias, fungos, bacilos e parasitas. Características das atividades e operações insalubres de acordo com a NR 15, Normas de Higiene Ocupacional – NHO e legislações vigentes; Características das atividades e operações perigosas de acordo com a NR 16 e legislações vigentes. Avaliação qualitativa e quantitativa do ambiente laboral. Laudos técnicos ambientais.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. NEVES, MARCO ANTONIO BORGES DAS. Doenças Ocupacionais e as Doenças Relacionadas ao Trabalho. São Paulo: LTR, 2011.
2. MONTEIRO, ANTONIO LOPES. BERTAGNI, ROBERTO FLEURY DE SOUZA. Acidentes do Trabalho e Doenças Ocupacionais. 7ª Ed. Saraiva, 2012.
3. MILTON, FRANCISCO. Doença Ocupacional e Acidente de Trabalho – Análise Multidisciplinar. 2ª Ed. São Paulo: LTR, 2013.
4. GARCIA, S. B. Primeiros socorros. São Paulo, Atheneu, 2003.
5. PRIMEIROS SOCORROS – 2ª edição – SENAC – Departamento Nacional Diretoria de Formação Nacional – Rio de Janeiro 1991.
6. Stephen N. Rosemberg, M.D. Livro de primeiros socorros. 2ª Edição. Johnson e Johnson Editora Record.
7. IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto de produção. 2ª edição. São Paulo: Blücher, 2010.
8. TAVARES, José da Cunha. Noções de Prevenção e Controle de Perdas em Segurança do Trabalho. 8.ed. Senac: São Paulo, 2011.
9. MATTOS, U. A. O.; MÁSCULO, F. S. Higiene e Segurança do Trabalho, Editora Elsevie, 2011.
10. OLIVEIRA MATTOS, U. A. Higiene e Segurança do Trabalho. Elsevier – Campus, 2011.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 110

ÁREA DE CONHECIMENTO: ENGENHARIA BIOMÉDICA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Gerenciamento de Equipamentos: inventário, documentação, e compra de equipamentos biomédicos, manutenção corretiva, preventiva, e terceirizada, software de gerenciamento de manutenção, e Indicadores de manutenção e relatórios.
2. Instrumentação aplicada à biomédica: sensores e transdutores, aquisição, amplificação, condicionamento, filtragem, processamento de sinais e biopotenciais.
3. Sistemas Biomédicos: conceitos de equipamentos biomédicos e equipamentos especiais de laboratórios, princípios de funcionamento, normas relativas, segurança em equipamentos médicos e aspectos de manutenção, testes e calibração.
4. Instalações Elétricas Hospitalares: Normas NBR-5410, NBR-13534 e normas aplicáveis, princípios da proteção e comandos aplicados aos equipamentos biomédicos, instalações elétricas de sala de cirurgia, compatibilidade eletromagnética.
5. Infraestrutura hospitalar: Sistemas de apoio hospitalar, Higiene e segurança hospitalar.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. BRITO, LÚCIO FM; BRITO, TALES RM; BUGANZA, CÉLIO. Segurança Aplicada às Instalações Hospitalares. 2a ed. São Paulo: Senac, 1998.
2. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Equipamentos Médico-Hospitalares e o Gerenciamento da Manutenção. Brasília – DF, 2002.
3. SANTANA CRISMARA JR. Instalações Elétricas Hospitalares. 2 ed. Porto Alegre: Edipucrs, 1999
4. CARVALHO, L. C. Instrumentação Médico-Hospitalar. Barueri, São Paulo, Editora Manole, 2008.
5. WEBSTER, J. Medical instrumentation: application and design. Boston: Houghton Milfflin Co, 2a ed. 1992. 800p.
6. CARR, J. J; BROWN, J. M. Introduction to Biomedical Equipment Technology. Ohio: Prentice hall, 2001.
7. ASTON, R. Principles of Biomedical Instrumentation and Measurement, Merril Publishin Company, 1990, 558p.
8. SANTOS FILHO, SADY A, SALLES, GIANCARLO. Apostila de Instrumentação Biomédica – Gráfica do CEFET-MG.
9. ANTUNES, Elisabeth; VALE, Marcio do; MORDELET, Patrick; GRABOIS, Victor. Gestão da Tecnologia Biomédica: Technovigilância e Engenharia Clínica. Éditions Scientifiques ACODESS, 2002.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 111

ÁREA DE CONHECIMENTO: ENGENHARIA SEGURANÇA DO TRABALHO
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Prevenção e Controle de Perdas.
2. Gestão de Segurança e Saúde do Trabalho.
3. Higiene Ocupacional, Riscos Ambientais e Medidas de Controle Individual e Coletiva.
4. Proteção Respiratória.
5. Segurança do Trabalho nas diversas atividades econômicas.
6. Interpretação de Limites de Exposição Ocupacional com base na NR-15 e ACGIH.
7. Espaço Confinado.
8. Prevenção e controle de Sinistros.
9. Ergonomia.
10. Atividades e Operações Perigosas.
11. Legislação Trabalhista, Previdenciária e sobre Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho (Leis, Decretos, Portarias, Normas Regulamentadoras e Instruções Normativas).

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Instalações hidráulicas prediais contra incêndio. s.d.
2. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14.280 – Cadastro de Acidentes.
3. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Saída de emergência em edifícios. sd.
4. BINDER, M. C. P.; ALMEIDA, I. M.; MONTEAU, M. Árvores de causas: método de investigação de acidentes do trabalho. São Paulo: Publisher do Brasil, 1998.
5. BURGESS, W. A. Identificação de possíveis riscos à saúde do trabalhador nos diversos processos industriais. Rio de Janeiro: Guanabara, 1999.
6. COUTO, H. A. Ergonomia aplicada ao trabalho: manual técnico da máquina humana. São Paulo: Ergo, 1999. vs. 1 e 2.
7. FANTAZZINI, M. L.; DE CICCO, F. M. G. A. Introdução à engenharia de segurança de sistemas. São Paulo: Fundacentro, 1999.
8. LIDA, I. Ergonomia: Projeto e produção. São Paulo: Edgard Blücher, s.d.
9. MANUAL DE LEGISLAÇÃO ATLAS. Segurança e medicina do trabalho. 75. ed. São Paulo: Atlas, 2015.
10. MANUAL DE TLVs e BEIs da ACGIH edição em português. Tradução Associação Brasileira de
11. Higienistas Ocupacionais – ABHO.
12. Normas de Higiene Ocupacional da Fundacentro: NHO-01 a NHO-10.
13. ROUSSELET, E. S.; FALCÃO, César. A segurança na obra: manual técnico de segurança do trabalho e, edificações prediais. Rio de Janeiro: Interciência, 1999.
14. SALIBA, T. M. et al. Higiene do Trabalho e programa de prevenção de riscos ambientais. São Paulo: LTr, s.d.
15. SOUNIS, E. Manual de higiene do trabalho. São Paulo: Cone. s.d.
16. TORREIRA, R. P. Manual de segurança industrial. São Paulo: Margus Publicações, 1999.
17. VIANA, J. S.; SANTOS, N.T. Manual de prevenção de acidentes. São Paulo: Freitas Bastos, s.d.
18. VENDRAME, ANTÔNIO CARLOS. Agentes químicos: reconhecimento, avaliação e controle na higiene ocupacional, Ed, do autor. São Paulo 2007.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 112

ÁREA DE CONHECIMENTO: ENGENHARIA ELÉTRICA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Circuitos elétricos em regime permanente, com alimentações em corrente contínua e alternada.
2. Técnicas de análise de circuitos elétricos em corrente contínua e alternada.
3. Leis de Kirchhoff.
4. Transformação estrela-triângulo e cálculo de potências.
5. Portas lógicas, álgebra de Boole e simplificação de expressões lógicas.
6. Circuitos combinacionais e sequenciais.
7. Circuitos eletrônicos com diodos, transistores bipolares de junção (BJTs), transistores por efeito de campo (FETs), amplificadores operacionais e elementos lineares de circuitos elétricos.
8. Modelagem matemática de sistemas lineares contínuos.
9. Transformação do sistema no espaço de estados para função de transferência e vice-versa.
10. Estabilidade de sistemas de controle lineares contínuos.
11. Lugar das Raízes.
12. Controladores para sistemas lineares contínuos no tempo: PD, PI, PID e suas variações.
13. Controlabilidade e Observabilidade.
14. Alocação de polos por realimentação de estados.
15. Luminotécnica.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. NILSON, J. W. e RIEDEL, S. A. Circuitos Elétricos. 6° Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2003.
2. BOYLESTAD, R. L.; NASHELSKY, L. Dispositivos eletrônicos e teoria de circuitos. 11ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2013.
3. CAMPOS, M. C. M. M., TEIXEIRA, H. C. G. Controles típicos de equipamentos e processos industriais, Edgard Blucher, 1ª ed., 2007.
4. DORF, R. C.; BISHOP, R. H., Sistemas de Controle Modernos, 12ª edição Rio de Janeiro – LTC, 2013.
5. GOLNARAGHI, F.; KUO, B. C., Sistemas de Controle Automático, 9ª edição, Rio de Janeiro – LTC, 2012.
6. OGATA, K., Engenharia de Controle Moderno, 5ª edição São Paulo – Prentice Hall, 2010.
7. SMITH, K. C.; SEDRA, A. S. Microeletrônica. 5ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.
8. TOCCI, R. J.; WIDMER, N. S.; MOSS, G. L. Sistemas digitais: princípios e aplicações. 11 ª ed. São Paulo: Pearson Brasil, 2011.
9. CREDER, Helio. Instalações Elétricas. 15. Ed. LTC, 2013.
10. NERY, Norberto. Instalações Elétricas – Princípios e Aplicações. Erica, 2016.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 113

ÁREA DE CONHECIMENTO: ESPANHOL
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

1. Leitura e compreensão de textos de diferentes tipos e gêneros;
2. As variedades europeia e americana da língua espanhola;
3. Aspectos contrastivos entre o espanhol e o português brasileiro: léxico e gramática;
4. O sistema pronominal do espanhol;
5. Morfossintaxe da língua espanhola;
6. Emprego de modos e tempos verbais;
7. Acentuação gráfica e ortografia oficial;
8. Literatura em língua espanhola – século XX.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.

1. BELLINI, Giuseppe. Nueva historia de la literatura hispanoamericana. Madrid: Castalia, 1997.
2. GARCÍA MÁRQUEZ, Gabriel. Doce cuentos peregrinos. Madrid: Mondadori, 1992.
3. JOZEF, Bella. A máscara e o enigma. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; Francisco Alves, 2010.
4. MASIP, Vicente. Gramática española para brasileños: fonología, ortografía y morfosintaxis. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.
5. MATTE BON, Francisco. Gramática comunicativa del español: De la lengua a la idea. Madrid: Edelsa, 1995, Tomos I y II.
6. MORENO, Concha. ERES FERNÁNDEZ, Gretel. Gramática contrastiva del español para brasileños. Madrid: SGEL, 2007.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 114

ÁREA DE CONHECIMENTO: EVENTOS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Conceituação dos eventos.
2. Hospitalidade e civilidade.
3. Aspectos históricos dos eventos.
4. Classificação dos eventos.
5. Entidades ligadas ao setor de eventos.
6. Fases dos eventos.
7. Criatividade em eventos.
8. Gestão de recursos humanos e eventos.
9. Marketing de eventos.
10. Patrocínio de eventos.
11. Gestão de projetos para eventos.
12. Gerenciamento de riscos e crises em eventos.
13. A divisão do cerimonial.
14. Precedência, pronunciamentos e lugares.
15. Símbolos nacionais.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ABEOC BRASIL – Associação Brasileira de Empresas de Eventos. Quem Somos. Disponível em: < https://www.abeoc.org.br/quem-somos/>.
2. ALLEN, Johnny. Organização e gestão de eventos. 3.ed.Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
3. BRASIL CVB – Confederação Brasileira de Convention & Visitors Bureau. Quem Somos. Disponível em: < https://brasilcvb.com.br/sobre/>.
4. BRITTO, Janaina; FONTES, Nena. Estratégias para eventos: uma ótica do marketing e do turismo. 2. ed.ampl. e atual. São Paulo: Aleph, 2006.
5. COCAL – Federation de Entidades Organizadoras e Congressos Y Afines de America Latina. Acerca de Cocal. Disponível em: https://cocal.org/acerca-de-cocal/>.
6. FORTES, Waldyr Gutierrez; SILVA, Mariângela Benine Ramos. Eventos: estratégias de planejamento e execução. 2. ed. São Paulo, SP: Summus, 2011.
7. GIACAGLIA, Maria Cecília. Gestão estratégica de eventos: teoria-prática-casosatividades. São Paulo, SP: Cengage Learning, 2011.
8. ICCA – International Congress and Convention Association. About ICCA. Disponível em: < https://www.iccaworld.com/abouticca.cfm>.
9. IBHE – Instituto Brasileiro de Hospitalidade Empresarial. Hospitalidade. Disponível em: <https://www.ibhe.com.br/hospitalidade>.
10. LUKOWER, Ana. Cerimonial e protocolo. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2010.
11. MATIAS, Marlene. Organização de eventos: procedimentos e técnicas. 6. ed. rev. e atual. Barueri, SP: Manole, 2013.
12. MEIRELLES, Gilda Fleury. Protocolo e cerimonial: normas, ritos e pompa. 3. ed. rev., ampl. e atual. São Paulo: IBRADEP, 2006.
13. MEIRELLES, Gilda Fleury. Eventos: seu negócio, seu sucesso. São Paulo: IBRADEP, 2003.
14. MELO NETO, Francisco Paulo de. Criatividade em eventos. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2004.
15. MENDONÇA, Maria José de; PEROZIN, Juliana Gutierres Penna Almendros. Planejamento e organização de eventos: turismo, hospitalidade e lazer. 1. ed. São Paulo, SP: Érica, 2014.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 115

ÁREA DE CONHECIMENTO: FILOSOFIA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Ética e Moral: virtude e justiça.
2. Teoria do Conhecimento.
3. Sociedade e Racionalidade.
4. Ciência e Verdade.
5. Política, Estado e Direito.
6. Lógica: lógica clássica e lógica matemática.
7. Hermenêutica e Crítica.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. São Paulo. Edipro, 3ª ed. 2009.
2. COPI, Irving. Introdução à lógica. 2 ed. São Paulo: Mestre Jou, 1978.
3. DESCARTES, René. Meditações. São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Coleção “Os Pensadores”)
4. GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método. Vol I. 7. Petrópolis, RJ: Vozes/Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2005.
5. HABERMAS, Jürgen. Verdade e justificação: ensaios filosóficos. São Paulo: Loyola, 2004.
6. HEGEL, G.W.F. Princípio da filosofia do direito. Tradução de Orlando Vitorino. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
7. HUME, David. Investigação acerca do entendimento humano. São Paulo: Nova Cultural, 1999. (Coleção Os Pensadores)
8. KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. São Paulo Editorial: Barcarolla. 2009. (Coleção filosofia)
9. KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. Petrópolis, RJ Petrópolis, RJ: Vozes/Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2013
10. CHALMERS, Alan F. O que é a ciência afinal? São Paulo: Brasiliense, 1993.
11. GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. 5. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1984. – 2
12. FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 24 ed. Petrópolis: Vozes, 1987.
13. NICCOLÒ, Maquiavelle. O Príncipe. 2. Ed. Ver. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.
14. SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1987.
15. MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 116

ÁREA DE CONHECIMENTO: FÍSICA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Mecânica – Cinemática: Movimento uniforme. Movimento uniformemente variado. Queda livre. Lançamento de projéteis. Movimento circular uniforme.
2. Dinâmica: Leis de Newton. Plano Inclinado. Forças no movimento circular. Força de atrito. Trabalho. Potência. Energia Cinética. Energia potencial. Forças conservativas e não conservativas. Princípio de conservação de energia. Momento linear de um sistema de partículas. Princípio da conservação do momento linear. Colisões uni e bidimensionais. Impulso de uma força.
3. Estática: Equilíbrio estático de um ponto material. Momento resultante. Máquinas simples.
4. Hidrostática e Hidrodinâmica: Empuxo. Princípio de Arquimedes. Pressão atmosférica. Teorema de Stevin. Teorema de Pascal. Prensa hidráulica. Equação de Bernoulli. Escoamento viscoso.
5. Gravitação: Leis de Kepler. Lei da gravitação universal.
6. Termologia: Termometria. Dilatação Térmica de sólidos e líquidos. Calorimetria. Transmissão de calor. Leis dos gases ideais. Termodinâmica.
7. Ondulatória: Classificação das ondas. Ondas periódicas. Ondas Harmônicas: na corda, sonoras e eletromagnéticas. Movimento de ondas em cordas. Interferência e ondas estacionárias. Sistemas oscilantes. Oscilações forçadas e amortecidas. Movimento Harmônico Simples (MHS). Energia no MHS. Ressonância.
8. Acústica: Velocidade do som em diferentes meios. Fenômenos sonoros. Efeito Doppler.
9. Óptica: Propriedades da Luz. Velocidade da luz. Propagação da luz. Princípio de Huygens. Princípio de Fermat. Polarização da luz. Interferência e Difração da Luz. Princípios da óptica geométrica. Leis da reflexão da luz. Leis da refração da luz. Formação de imagens em espelhos planos e esféricos. Associação de dois espelhos planos. Lentes esféricas. Instrumentos ópticos. Óptica da visão.
10. Eletricidade: Corrente elétrica. Diferença de potencial. Resistência elétrica. Lei de Ohm. Associação de resistores. Eletricidade estática. Eletrização. Lei de Coulomb. Campo Elétrico. Linhas de força. Lei de Gauss. Potencial. Trabalho em campo elétrico. Superfícies equipotenciais. Gradiente de potencial. Capacitores. Capacitância. Associação de capacitores. Força eletromotriz. Equação de circuito.
11. Magnetismo: Imãs. Campo Magnético. Força Magnética. Lei de Ampère. Lei de Lenz. Lei de Faraday. Circuito RL: equação, solução e interpretação. Aplicações da indução eletromagnética. Equações de Maxwell. Equações de Maxwell – forma diferencial.
12. Ondas Eletromagnéticas: Características das ondas eletromagnéticas. Equação das ondas eletromagnéticas. Energia, intensidade e momento de uma onda eletromagnética. Ondas de rádio. Micro-ondas. Luz visível, raios infravermelhos e ultravioleta.
13. Física Moderna: A Relatividade de Einstein e suas consequências. O princípio da incerteza. Fissão e fusão nuclear. Origens da Teoria Quântica. Radiação do corpo negro e a constante de Planck. Efeito fotoelétrico. Raios X. Espalhamento Compton. Espectros atômicos. Comprimento de ondas de de Broglie. Equação de Scrödinger.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. EISBERG, R. M. e LERNER, L. S. – Física: Fundamentos e Aplicações. Vol.1 a 4; Editora MacGraw-Hill do Brasil, São Paulo, 1983.
2. HALLIDAY D., RESNICK R., WALKER J. (2009) Fundamentos da Física. 8a Ed. Editora LTC – Rio de Janeiro. Vol de 1 a 4;
3. HALLIDAY, David; RESNICK, Robert.; WALKER, Jearl. Fundamentos de Fisica: Mecânica – vol. 1. 8a Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
4. HALLIDAY, David; RESNICK, Robert.; WALKER, Jearl. Fundamentos de Física: Gravitação, Ondas e Termodinâmica – vol. 2. 8a Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
5. HALLIDAY, David; RESNICK, Robert.; WALKER, Jearl. Fundamentos de Física: Eletromagnetismo – vol. 3. 8a Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
6. HALLIDAY, David; RESNICK, Robert.; WALKER, Jearl. Fundamentos de Física: Óptica e Física Moderna – vol. 4. 8a Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
7. NUSSENZVEIG M. (2002) Curso de Física Básica. 4a ed. Editora. Edgard Blucher. Vol de 1 a 4; 1984.
8. SCHAEFER, H. N. R. – Eletricidade e Magnetismo. Editora da UFSC, Florianópolis.
9. SEARS, F. et allii – Física. Vol.1a 4; Editora LTC, Rio de Janeiro,
10. TIPLER, Paul A.; MOSCA, Gene; Física para Cientistas e Engenheiros Vol.1- Mecânica, Oscilações e Ondas, Termodinâmica. 6a Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
11. TIPLER, Paul A.; MOSCA, Gene; Física para Cientistas e Engenheiros Vol.2 – Eletricidade e Magnetismo, Ótica. 6a Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
12. TIPLER, Paul A.; MOSCA, Gene; Física para Cientístas e Engenheiros – Vol.3-Física Moderna- Mec.Quântica, Rel. e a Est. da Matéria. 6a Edição. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 117

ÁREA DE CONHECIMENTO: GEOGRAFIA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. A história do pensamento geográfico: Conceitos, temas e teorias da Geografia.
2. A Geografia do Espaço Mundial e sua geopolítica: Guerra Fria; Velha e Nova ordem mundial; Blocos econômicos supranacionais; Velha e Nova Divisão Internacional do Trabalho. Meio natural, meio técnico e meio técnico-científico-informacional. Globalização; Globalização e fragmentação; Organismos supranacionais. América Latina. Sistema-mundo; Conflitos étnicos; A questão das nacionalidades; Movimentos separatistas; Guerrilhas modernas. Grandes conjuntos regionais; Globalização e suas contradições.
3. Geografia do Espaço Industrial: fatores de localização; Tipos de indústrias; Industrialização pioneira e tardia; As revoluções industriais. A revolução técnico-científica-informacional; Energia: importância; Conceitos; Modelos; Fontes; Geografia do espaço industrial brasileiro: processo, formação, conceitos, relações urbano industriais; Problemas ambientais ligados à industrialização; Energia no Brasil: fontes, importância, modelos; Novas áreas de exploração de energia; Exploração econômica dos recursos naturais no Brasil.
4. Geografia do Espaço Agrário: histórico; Relações; Sistemas agrícolas; Modernização; Revolução Verde; Agropecuária em países centrais e periféricos; Complexos Agroindustriais; Geografia do Espaço Agrário do Brasil: histórico; Relações; Sistemas agrícolas; Modernização; Reforma Agrária; Conflitos no campo; Relações de trabalho.
5. Geografia Urbana e Regional: formação, dinâmicas, características e transformações das cidades; Economia de serviços; Geografia Urbana e Regional no Brasil: formação, dinâmicas e transformações históricas e atuais.
6. Geografia da População: dinâmica, crescimento, distribuição e estrutura da população;teorias demográficas; movimentos migratórios; Geografia da População no Brasil.
7. A Geografia dos Transportes: transportes e comunicação no mundo atual. A Geografia das redes.
8. A Relação Sociedade X Natureza: Quadro natural: clima, vegetação, relevo, geologia, solos, hidrografia, águas continentais e oceânicas; Recursos Naturais e aproveitamento econômico; Domínios morfoclimáticos; Questões ambientais; O meio urbano e a questão ambiental; Impactos das sociedades sobre o meio ambiente. Uso e conservação na natureza. Estudo da Terra: considerações gerais, composição e estrutura da Terra; Tectônica de Placas: conceitos, características; Intemperismo: conceitos, fatores, características, tipos; Geomorfologia: Conceitos, fatores, tipos de ambientes, pedologia.
9. Cartografia: conceitos, histórico, coordenadas, movimentos e fusos horários, representações cartográficas, escalas e projeções; Cartografia Temática; Sensoriamento Remoto; Sistemas de Informações Geográficas; Sistema de Posicionamento Global(GPS).
10. O Espaço Geográfico brasileiro: características físicas; Estrutura física e geomorfológica; Relevo; Domínios morfoclimáticos; Climatologia; Hidrografia; pedologia; Águas continentais e oceânicas; recursos naturais e aproveitamento econômico; Questões ambientais; O meio urbano e a questão ambiental; Impactos das sociedades sobre o meio ambiente. Uso e conservação na natureza no Brasil.
11. A Formação territorial do Brasil: ocupação, organização; regionalizações; A inserção brasileira na economia global; Relações internacionais brasileiras.
12. O uso de recursos didático-pedagógicos no ensino de Geografia. A pesquisa, o ensino e a extensão na docência de Geografia.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. AB‘SABER, Aziz Nacib. Os domínios de natureza no Brasil: Potencialidades Paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003.
2. BOLIGIAN, L. e ALVES, A.. Geografia – espaço e vivência. São Paulo: Atual, 2007.
3. CASTRO, I.E.; GOMES, P.C.C.; CORRÊA, R.L. (orgs.) Geografia: Conceitos e temas. 8ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.
4. CORRÊA, R. L. Região e Organização Espacial. São Paulo: Ática, 1986.
5. FITZ, Paulo Roberto. Geoprocessamento sem complicações. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.
6. GUERRA, Antonio Jose Teixeira; CUNHA, Sandra Baptista. (orgs.) A questão ambiental: diferentes abordagens. 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.
7. HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 3 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.
8. CASTROGIOVANNI, A. C. Ensino de geografia: práticas e textualizações no cotidiano. Porto Alegre: Meditações, 2001.
9. PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Globalização da natureza e natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2015.
10. Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI – São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
11. SENE, E; MOREIRA, J. C. Geografia Geral e do Brasil: espaço geográfico e globalização. Obra em 3 volumes. São Paulo: Scipione, 2010.
12. SANTOS, M. e SILVEIRA, M. L. O Brasil. Território e Sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.
13. PONTUSCHKA, N. N.; OLIVEIRA, A. U. O. (orgs.) Geografia em perspectiva: ensino e pesquisa. São Paulo: Contexto, 2002.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 118

ÁREA DE CONHECIMENTO: GESTÃO
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Gestão empresarial: (Teoria Geral da Administração, Teorias das Organizações; Planejamento estratégico e Marketing): O Campo da Administração e Estrutura Organizacional; Planejamento Estratégico e a Análise do Ambiente Organizacional; Matriz BCG; Vantagem Competitiva; Governança Corporativa; Liderança Estratégica; Marketing: Conceitos, Composto de Marketing, Produto e Mix de Produtos e Gestão de Preços.
2. Gestão financeira (Economia, Contabilidade, Gestão Financeira e Orçamentária e Análise de Investimento): Conceitos básicos de economia: macroeconomia, modos de produção, fatores de produção, oferta, demanda e equilíbrio de mercado; Acumulação de Capital: Juros Simples e Juros Compostos, análise de Investimentos; Sistema Contábil e Análise das Demonstrações Financeiras.
3. Gestão da produção (Logística e cadeia de suprimentos; Gestão da Qualidade; Gestão ambiental; Gestão de saúde e segurança e Processos de fabricação): Função da logística na administração de empresas: Fornecimento, distribuição e previsões de demanda; Administração de Materiais; Métodos de previsão dos estoques; Gestão Integrada: Qualidade, Meio ambiente, saúde e segurança, Normas ISO 9001 e ISO 14001. Programa de Qualidade Total; Custos da Qualidade; Sistemas Just in Time (JIT); Competitividade e Estratégia de Produção; Sistemas de Produção
4. Gestão de Recursos Humanos (Gestão de Pessoas; Cargos e responsabilidades; análise de competências): Gestão de Pessoas: Cultura e Clima Organizacional, Liderança, cultura e poder nas organizações; Recrutamento e seleção: Análise de competências, conhecimento, habilidade e atitude; Treinamento; Programa de Incentivo; Benefícios e remuneração.
5. Gestão de Projetos (Empreendedorismo, Gerenciamento de projetos): Projetos: Conceitos fundamentais, gerenciamento de escopo, prazo, qualidade, custo e equipe; PMBOK; Inovação e Empreendedorismo: Teoria dos jogos, Comportamento e perfil do empreendedor; Teorias empreendedoras; Plano de negócios. Propriedade Intelectual; Franquias; Financiamento de novos empreendimentos.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. DAFT, Richard L. Administração. Tradução Robert Brian Taylor. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.
2. HITT, Michael A., IRELAND, R. Duane, HOSKISSON, Robert E. Administração Estratégica: competitividade e globalização. 2ª edição. São Paulo: Thomson Learning, 2008.
3. PINTO, Éder P. Gestão empresarial: casos e conceitos de evolução organizacional. São Paulo: Saraiva, 2007.
4. KLOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2000.
5. BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos-: Logística Empresarial. Bookman Editora, 2009.
6. DA CUNHA TAVARES, José da Cunha; NETO, JOAO BATISTA RIBEIRO; HOFFMANN, Silvana Carvalho. Sistemas de Gestão Integrados. Senac, 2008.
7. CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. Elsevier Brasil, 2003.
8. MASIERO, Gilmar. Administração de Empresas: teoria e funções com exercícios e casos. São Paulo: Saraiva, 2007.
9. IVANCEVICH, John M. Gestão de recursos humanos. AMGH Editora, 2009.
10. CORREIA NETO, Jocildo. Elaboração e Avaliação de Projetos de Investimento. Rio de Janeiro: Campus, 2009.
11. GITMAN, J. Lawrence. Princípios de administração financeira. São Paulo: Pearson Education do Brasil, v. 10, p. 4-13, 2004.
12. DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 3ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
13. Baron, Robert A.; Shane, Scott A. Empreendedorismo: uma visão do processo. São Paulo: Thonson Learning, 2007.
14. Figueiredo, Paulo N. Gestão da inovação: conceitos, métricas e experiências no Brasil. Rio de Janeiro: LTC, 2009.
15. PMBOK, GUIDE. Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos.PMI, 2013.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 119

ÁREA DE CONHECIMENTO: HISTÓRIA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Economia e sociedade do Brasil Colonial no contexto da Modernidade ibérica.
2. Aspectos de cidadania e cultura política no Brasil: império e república.
3. O “longo século XIX”: colonialismos, ideologias e conflitos.
4. O “breve século XX”: totalitarismos, bipolaridade, crise.
5. História do tempo presente: delineamentos e temáticas.
6. O Brasil na história recente: anos 1930-2000.
7. Tempo, história, memória e patrimônio.
8. A ciência histórica: paradigmas teóricos e metodológicos.
9. História e cultura afro-brasileira e indígena: aspectos histórico-sociais e implicações políticas das leis 10.639, de 2003, e 11.645, de 2008.
10. Temáticas em ensino de História: identidade, cultura, cidadania e gênero.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ABREU, Martha e SOIHET, Rachel. Ensino de História. Conceitos, temáticas e metodologias. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.
2. ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul, séculos XVI e XVII. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
3. BURKE, Peter (org.). A escrita da história. Novas perspectivas. São Paulo: Ed. Unesp, 1992.
4. CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
5. FRAGOSO, João; FLORENTINO, Manolo. O Arcaísmo como Projeto. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
6. HOBSBAWM, E. J. A era do capital: 1848-1875. 15. edição. rev. São Paulo: Paz e Terra, 2010
7. HOBSBAWM, E. J. Era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
8. MENDONÇA, Sonia Regina de. A industrialização brasileira. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1995.
9. PORTO JR., Gilson (org.). História do tempo presente. Bauru:Edusc, 2007
10. RIBEIRO, Gladys Sabina. A liberdade em construção. Rio de Janeiro: Relume Dumará/FAPERJ, 2002.
11. SILVA, Lucia. A Trajetória de um Conceito: Patrimônio, entre a Memória e a História. In: Mosaico – Revista Multidisciplinar de Humanidades, Vassouras, v. 1, n. 1, p. 36-42, jan./jun., 2010.
12. WHITROW, G. J. O tempo na História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 120

ÁREA DE CONHECIMENTO: HOTELARIA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Hospedagem: organograma.
2. Hospedagem: cargos, funções e uniforme.
3. Hospedagem: reservas.
4. Hospedagem: recepção.
5. Hospedagem: telefonia.
6. Governança: organograma.
7. Governança: cargos, funções e uniforme.
8. Governança: serviço de andares.
9. Governança: higiene e limpeza.
10. Governança: lavanderia.
11. Alimentos e Bebidas: organograma.
12. Alimentos e Bebidas: cargos, funções e uniforme.
13. Alimentos e Bebidas: serviço de room service.
14. Gestão: recursos humanos, manutenção, portaria de serviços, almoxarifado, compras e custos.
15. Meios de Hospedagem – Sistema de Gestão da Sustentabilidade – Requisitos, ABNT NBR 15401.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 15401:2006. Meios de Hospedagem – Sistemas de Gestão da Sustentabilidade – Requisitos. Parceria ABNT e Ministério do Turismo – Normas para o Desenvolvimento do Turismo no Brasil. Brasil, 2006.
2. CÂNDIDO, Í. Cargos em Hotelaria. Caxias do Sul: Educs, 2005.
3. CÂNDIDO, Í. Governança em Hotelaria. Caxias do Sul: Educs, 1995.
4. CÂNDIDO, Í.; VIEIRA, E. Garçom. Canoas: Ed. ULBRA, 2003.
5. CÂNDIDO, Í.; VIEIRA, E.V. Gestão de Hotéis: técnicas, operações e serviços. Caxias do Sul: Educs, 2003.
6. CÂNDIDO, Í.; VIEIRA, E.V. Lavanderia Hoteleira: técnicas e operações. Caxias do Sul: Educs, 2008.
7. CASTELLI, G. Excelência em Hotelaria. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.
8. DAVIES, C.A. Alimentos e Bebidas. Caxias do Sul: Educs, 2006.
9. DAVIES, C.A. Manual de Hospedagem: simplificando ações na hotelaria. Caxias do Sul: Educs, 2006.
10. ISMAIL, A. Hospedagem: front office e governança. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.
11. MARTIN, R.J. Governança: administração e operação de hotéis. São Paulo: Roca, 2004.
12. MATA, A. Dicionário de Terminologia Hoteleira: front office. Lisboa: Prefácio, 2000.
13. OLIVEIRA, G.B. Camareira: mercado profissional, ambiente de trabalho, rotina de serviços. Rio de Janeiro: SENAC Nacional, 2012.
14. TORRE, F. De La. Administração Hoteleira: parte I departamentos. São Paulo: Roca, 2001.
15. VIEIRA, E.V.; CÂNDIDO, I. Recepcionista de Hotel. Canoas: Ed. ULBRA, 1996.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 121

ÁREA DE CONHECIMENTO: INFORMÁTICA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Análise de Algoritmos e Complexidade de Computação: Análise de Complexidade de Algoritmos, Notação O, Classes de Complexidade de Algoritmos.
2. Linguagens Formais e Autômatos: Gramáticas Regulares, Hierarquia de Chomsky.
3. Linguagens de Programação: Paradigma Imperativo, Paradigma Orientado a Objetos, Paradigmas Lógico e Funcional. Programação utilizando as linguagens C, C++ e Java.
4. Engenharia de Software: Requisitos de Software, Processos de Software, Desenvolvimento Orientado a Objetos. UML. Metodologias Ágeis.
5. Bancos de Dados: Tipos de Bancos de Dados, Modelo Entidade Relacionamento, Bancos de Dados Relacionais. Normalização, SQL. Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados.
6. Sistemas de Informação: Conceitos de Sistemas de Informação. Conceitos de Teoria Geral dos Sistemas. Aplicações de Sistemas de Informação, Tipos de Sistemas de Informação, Gestão de Sistemas de Informação.
7. Hardware e Arquitetura de Sistemas Computacionais: Sistemas de Codificação binária. Ciclo de busca e Execução de uma Instrução, Modelo de Von Neumann, Princípios de Programação Assembly. Arquiteturas RISC e CISC. Modelos de Paralelismo, Pipeline.
8. Software Básico e Redes: Sistemas Operacionais: Tipos, Componentes e Estrutura. Escalonamento e Gerenciamento de Memória. Redes de Computadores: Modelo OSI. Arquitetura TCP/IP. Princípios de Protocolos de Redes Móveis.

Concurso IFB 2016: Conteúdo programático atualizado para Professor do Magistério
Concurso IFB 2016: Conteúdo programático atualizado para Professor do Magistério

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:
A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ZIVIANI, Nivio. Projeto de algoritmos: com implementações em Pascal e C. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cengage Learning, 2011. xx, 639 p. ISBN 9788522110506 (broch.)
2. HOPCROFT, John E.; ULLMAN, Jeffrey D.; MONTWANI, Rajeev. Introdução à teoria de autômatos, linguagens e computação. Rio de Janeiro: Elsevier, c2003. 560 p. ISBN 9788535210729 (broch.)
3. SEBESTA, Robert W. Conceitos de linguagem de programação. 9. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011. ix, 792 p. ISBN 9788577807918 (broch.)
4. DEITEL, Harvey M.; DEITEL, Paul J. Como programar em C. Rio de Janeiro: LTC, 1999. xxx, 486 p. ISBN 8521611919 (broch.)
5. DEITEL, Harvey M. C++: como programar. 5. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006. xlii, 1163 p. ISBN 9788576050568 (broch.)
6. PAULA FILHO, Wilson de Pádua. Engenharia de software: fundamentos, métodos e padrões. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009. 1.248 p. ISBN 9788521616504 (broch.)
7. PRESSMAN, Roger S. Engenharia de software: uma abordagem profissional. 7. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2011. xxviii, 780 p. ISBN 9788563308337 (broch.)
8. BLAHA, Michael; RUMBAUGH, James. Modelagem e projetos baseados em objetos com UML 2. 2. ed. rev. e atual. Rio de Janeiro: Campus, c2006. xvii, 496 p. ISBN 9788535217537 (broch.)
9. COHN, Mike. Desenvolvimento de software com Scrum: aplicando métodos ágeis com sucesso. Porto Alegre: Bookman, 2011. 496 p. ISBN 9788577808076 (broch.)
10. DATE, C. J. Introdução a sistemas de bancos de dados. 8. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, c2004. 865 p. ISBN 8535212736 (broch.)
11. AUDY, Jorge Luis Nicolás; ANDRADE, Gilberto Keller de; CIDRAL, Alexandre. Fundamentos de sistemas de informação. Porto Alegre: Bookman, 2005. 208 p. ISBN 8536304480 (broch.)
12. STALLINGS, William. Arquitetura e organização de computadores. 8. ed. São Paulo: Prentice Hall, c2010. xiv, 624 p. ISBN 978857605648 (broch.)
13. MACHADO, Francis B.; MAIA, Luiz Paulo. Arquitetura de sistemas operacionais. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2013. xiii, 250 p. ISBN 9788521622109 (broch.)
14. TANENBAUM, Andrew S. Sistemas operacionais modernos. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010. xvi, 653 p. ISBN 9788576052371 (broch.)
15. KUROSE, James F.; ROSS, Keith W. Redes de computadores e a internet: uma abordagem top-down. 5. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2010. xxiii, 614 p. ISBN 9788588639973 (broch.)

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 122

ÁREA DE CONHECIMENTO: INFORMÁTICA/ DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Algoritmos e Estrutura de Dados.
2. Conceitos de Linguagens de Programação.
3. Programação orientada a objeto.
4. Programação web cliente e servidor.
5. Banco de dados: Modelo e diagrama de entidade-relacionamento, Modelo relacional, Mapeamento entre modelo de entidade-relacionamento e modelo relacional, álgebra relacional, linguagem de manipulação de dados.
6. Análise e Projeto Orientados a Objetos.
7. UML (Linguagem de Modelagem Unificada).
8. Teste de software.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. FARRER, H.; BECKER, C. G.; FARIA, E. C.; MATOS, H. F.; et. al. Algoritmos Estruturados, 3ª ed., LTC, 1999. ISBN 9788521611806.
2. Python para Desenvolvedores / Luiz Eduardo Borges Rio de Janeiro, Edição do Autor, 2010. ISBN 978-85-909451-1-6.
3. GOODRICH, Michael. Estruturas de dados e Algoritmos em Java. Porto Alegre. 4ed. Bookman. 2007. ISBN 978-85-60031-50-4.
4. BARNES, David J.; KÖLLING, Michel. Programação orientada a objetos com Java: uma introdução prática usando o BlueJ. 4. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009. xxii, 455 p. ISBN 9788576051879.
5. DEITEL, Harvey M.; DEITEL, Paul J. Java: como programar. 8. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010. xxix, 1144 p. ISBN 9788576055631.
6. HORSTMANN, Cay S.; CORNELL, Gary. Core Java, volume I: fundamentos. 8. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, c2010. xiii, 383 p. ISBN 9788576053576.
7. DEITEL, Paul J.; DEITEL, Harvey M. C como programar. 6. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2011. xxvii, 818 p. ISBN 9788576059349.
8. ELMASRI, Ramez; NAVATHE, Sham. Sistemas de banco de dados. 6. ed. São Paulo: Pearson, 2011. xviii, 788 p. ISBN 9788579360855.
9. SEBESTA, Robert W. Conceitos de linguagem de programação. 9. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011. ix, 792 p. ISBN 9788577807918.
10. FREEMAN, Elisabeth; FREEMAN, Eric. Use a cabeça!: HTML com CSS e XHTML. 2. ed. Rio de Janeiro: Alta Books, 2008. xxxi, 580 p. ISBN 9788576082187.
11. BEIGHLEY, Lynn; MORRISON, Michael. Use a cabeça!: PHP & MySQL. Rio de Janeiro: Alta Books, 2010. xxxvii, 770 p. (Use a cabeça!) ISBN 9788576085027.
12. BASHAM, Bryan; SIERRA, Kathy; BATES, Bert. Use a cabeça Servelets & JSP. 2. ed. Rio de Janeiro: Alta Books, 2010. 879 p. ISBN 9788576082941.
13. DELAMARO, Márcio; MALDONADO, José Carlos; JINO, Mario (Org.). Introdução ao teste de software. Rio de Janeiro: Elsevier, c2007. xi, 394 p. (Série Sociedade brasileira de computação) ISBN 9788535226348
14. SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de software. 9. ed. São Paulo: Pearson, 2011. xiii, 529 p. ISBN 9788579361081
15. LARMAN, Craig. Utilizando UML e padrões: uma introdução à análise e ao projeto orientados a objetos e ao desenvolvimento interativo. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2007. xiv, 695 p. ISBN 9788560031528
16. BOOCH, Grady; RUMAUGH, James; JACOBSON, Ivar. UML: guia do usuário. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005. 474 p. ISBN 9788535217841

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 123

ÁREA DE CONHECIMENTO: INFORMÁTICA/REDES
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Camada de Aplicação e serviços de rede.
2. Camada de Transporte.
3. Camada de Rede.
4. Camada de Enlace.
5. Camada Física e Meios de Transmissão.
6. Redes Multimídia.
7. Segurança de Redes de Computadores.
8. Desenvolvimento de aplicações usando sockets.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. COMER, Douglas E. Redes de Computadores e Internet. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2007.
2. FOROUZAN, Behrouz A. Comunicação de Dados e Redes de Computadores. 4. ed. McGraw Hill, 2008.
3. PETERSON, Larry L.; Davie, Bruce S.. Redes de Computadores: Uma Abordagem de Sistemas. 5 ed. Elsevier, 2013.
4. KUROSE, James E.; ROSS, Keith W. Redes de Computadores e a Internet: uma abordagem top-down. 6. ed. São Paulo. Pearson Education do Brasil, 2013.
5. ROSS, John. O Livro do Wireless – Um Guia Definitivo para Wi-fi Redes Sem Fio. 2 ed. Alta Books, 2009
6. TANENBAUM, Andrew S.; WETHERALL, David. Redes de Computadores. 5. ed. Pearson, 2011.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 124

ÁREA DE CONHECIMENTO: LIBRAS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Políticas linguísticas e educação bilíngue para surdos.
2. Aspectos linguísticos da Libras.
3. Aspectos sociolinguísticos em Libras.
4. Ensino de Libras como primeira língua.
5. Ensino de Libras como segunda língua.
6. Ensino de classificadores na Libras.
7. Ensino do uso do espaço na Libras.
8. Ensino de Libras na formação de tradutores-intérpretes.
9. Ensino de expressões faciais na Libras.
10. Ensino de Libras na educação inclusiva e bilíngue.
11. Ensino de Libras na formação de Professores e Instrutores de Libras.
12. Ensino de Libras como disciplina curricular.
13. Transcrições e escritas da Língua de Sinais.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. CAPOVILLA, F.C, RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira, Volume I: sinais de A a L. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.
2. CAPOVILLA, F. C, RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue da Língua de Sinais Brasileira, Volume II: sinais de Ma Z. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.
3. FARIA. S. P. Representações Lexicais, da Língua de Sinais Brasileira. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Brasília, 2009.
4. FERNANDES, E. (Org.). Surdez e bilinguismo. 01. ed. Porto Alegre, RS: Mediação, 2005.
5. FERREIRA, L.B. Por uma gramática de Língua de Sinais. Rio de Janeiro-RJ: Tempo Brasileiro: 1995.
6. GESSER, A. O ouvinte e a surdez: sobre ensinar e aprender a Libras. I. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.
7. JÚNIOR, G. C. Projeto Varlibras. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade de Brasília. 2014.
8. LEITE, T. A. A segmentação da língua de sinais brasileira (libras): Um estudo linguístico descritivo a partir da conversação espontânea entre surdos. Tese (Doutorado em Pós-Graduação) – Universidade de São Paulo, 2008.
9. LOPES, M. C. Surdez & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.
10. PIZZIO, A. L. A Tipologia Linguística E A Língua De Sinais Brasileira: Elementos Que Distinguem Nomes De Verbos. Tese (Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC) – Universidade Federal de Santa Catarina. 2011.
11. QUADROS, R. M. de & KARNOPP, L. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. ArtMed: Porto Alegre, 2004.
12. QUADROS, R. M. (Org.); Vasconcellos, M. L. B. de (Org.) . Questões teóricas das pesquisas em línguas de sinais. 1. ed. Petrópolis: Editora Arara Azul, 2008.
13. QUADROS, R. (Org.). Estudos Surdos III. Petrópolis: Arara Azul, 2008.
14. QUADROS, R. M (Org.) ; PERLIN, G. (Org.) . Estudos Surdos I e II. 1. ed. Petrópolis: Editora Arara Azul, 2007.
15. QUADROS, R. M. (Org.); STUMPF, M. (Org.). Estudos Surdos IV. 1. ed. Petrópolis: Editora Arara Azul, 2009.
16. QUADROS, R. M. (Org.); STUMPF, M. (Org.) ; LEITE, T. A. (Org.) . Estudos da língua brasileira de sinais I. 1. ed. FLORIANOPOLIS: Editora Insular, 2013.
17. RODRIGUES, C. H. (Org.); QUADROS, R. M. (Org.). Cadernos de Tradução: Edição especial (número 2- jul/dez 2015): Estudos da Tradução e da Interpretação de Línguas de Sinais. 2. ed. Florianópolis: Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, 2015.
18. QUADROS, R. M. Cadernos de Tradução. 1. Volume 26. ed. Florianópolis: Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução, 2010.
19. SUTTON, Valerie. SignWriting: Manual. [online] disponível em www.signwrting.org, 1996.
20. SKLIAR, C.(org). Atualidade da educação bilíngue para surdos. Porto Alegre: Mediação, v. 1 e v.2, 1999.
21. ________ (org.) A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.
22. TEMÓTEO, J. G. Lexicografia da Língua de Sinais Brasileira do Nordeste. 2012. Tese (Doutorado em Psicologia Experimental) – Universidade de São Paulo.
23. THOMA, A. S.; LOPES, M. C. A invenção da surdez: cultura, alteridade, identidade e diferença no campo da educação. Santa Cruz do Sul : Edunisc, 2004.
24. VIEIRA-MACHADO, L. M. Costa; LOPES, M. C..(orgs.). Educação de surdos: políticas, língua de sinais, comunidade e cultura surda. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2010.
25. Lei Nº 10.436/02 com suas posteriores alterações.
26. Lei Nº 12.139/10 com suas posteriores alterações.
27. Lei Nº 13.146/15 com suas posteriores alterações.
28. Decreto Nº 5.626/05 com suas posteriores alterações.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 125

ÁREA DE CONHECIMENTO: MATEMÁTICA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Matemática no Ensino Médio: Conjuntos; Relações e Funções; Trigonometria; Equações e Inequações; Sequências e Progressões; Números Complexos, Polinômios e Equações Polinomiais; Geometria Plana; Geometria Espacial; Geometria Analítica; Análise Combinatória; e Binômio de Newton.
2. Cálculo Diferencial e Integral: Limite, Continuidade, Derivada e Integral (e suas aplicações) de Funções de uma ou várias variáveis .
3. Sequências e Séries.
4. Geometria Analítica: Estudo da Reta e do Plano (R² ou R³); Cônicas e Quádricas.
5. Álgebra Linear: Matrizes, Tipos especiais de matrizes, Operações com matrizes, Escalonamento de matrizes elementares; Cálculo do determinante e inversão de matrizes. Cálculo do posto de uma matriz; Formas quadráticas; Fatoração; Sistemas Lineares; Eliminação gaussiana; método de Gauss-Jordan.
6. Vetores e suas principais propriedades, espaços e subespaços vetoriais; Combinação linear; Dependência e independência linear; Coordenadas e Bases; Dimensão; Transformações Lineares; Autovalores, Autovetores e diagonalização.
7. Probabilidade e Estatística: Variáveis e Gráficos; Distribuições de Frequência; Medidas de Tendência Central: Médias, Mediana, Moda e Separatrizes ( Quartis, quintis, decis e percentis).
8. Medidas de Dispersão: Desvio médio simples, Variância, Desvio Padrão e Coeficiente de Variação.
9. Medidas de Assimetria e Curtose.
10. Axiomas de Probabilidade:, Técnicas de Contagem, Probabilidade Condicional e Independência.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. ANTON, H. Álgebra Linear com Aplicações. 10ª edição. Porto Alegre: Bookman, 2012.
2. ÁVILA, G.; ARAÚJO, L.C.L. Cálculo Ilustrado, Prático e Descomplicado, Rio de Janeiro: LTC, 2012.
3. DANTE, L. R. Matemática. 1ª Edição. São Paulo: Ática, 2008.
4. IEZZI, G.; Fundamentos da Matemática Elementar. 7ª edição. São Paulo: Atual, 2004.
5. IEZZI, G.; Matemática: Ciências e Aplicações. 2ª edição. São Paulo: Atual, 2004. Volumes I, II e III.
6. DEVORE, JAY L., Probabilidade e Estatística para Engenharia e Ciências, 6ª edição. São Paulo: Thomson, 2006.
7. LEITOHLD, L. Cálculo com Geometria Analítica. 3ª edição. São Paulo: Harbra, 1996. Vol.mes I e II.
8. MORETIN, L.; Estatística Básica. São Paulo: Pearson MaKron Books, 2000. Vol. I e II.
9. MORGADO, A. Análise Combinatória e Probabilidade. Rio de Janeiro: IMPA/VITAE, 2001.
10. POOLE, D. Algebra Linear. Cengage Learning, São Paulo, 2004.
11. RIGHETTO, A. Vetores e Geometria analítica. 3ª edição. São Paulo: IBEC, 1982.
12. STEINBRUCH, A. Geometria Analítica. 2ª edição. São Paulo: Makron Books, 1987.
13. STEWART, J. Cálculo. Volumes I e II. 7.ed. São Paulo: Thomson, 2013.
14. TRIOLA, M.; Introdução à Estatística. 9ª edição. São Paulo: LTC Editora, 2005.III.
15. WALPOLE, R. E.et al, Probabilidade e Estatística para Engenharia e Ciências, 8ª edição. São Paulo: Pearson, 2009.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 126

ÁREA DE CONHECIMENTO: MECÂNICA I
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Ciência e Engenharia dos Materiais. Propriedades mecânicas dos materiais: tensão, deformação e propriedades mecânicas dos metais. Falha: fratura dúctil, fratura frágil, fadiga. Microestruturas e diagrama para o sistema ou liga ferro-carbono. Transformações de fases no sistema ferro-carbono: transformações de fases no estado sólido, microestruturas e alterações microestruturais nas ligas ferro carbono, comportamento mecânico das ligas ferro-carbono. Tratamentos térmicos nas ligas ferro-carbono: fatores que influenciam nos tratamentos térmicos, recozimento, normalização, tempera e temperabilidade, revenido.
2. Controle Dimensional. Vocabulário da metrologia; Processos e métodos de medição; Sistemas de medidas; Medição; Instrumentos de medição: régua, escala, paquímetros, micrômetros e goniômetro; Instrumentos de verificação, Calibração e controle; Tolerância e ajuste; Incertezas na medição.
3. Desenho Mecânico. Papel; Linhas; Escalas e símbolos; Perspectivas; Projeções; Cotagem; Cortes; Seções e Detalhes; Rupturas; Vistas auxiliares; Parafusos, porcas e arruelas; Rebites; Molas; Polias; Eixos; Engrenagens; Caldeiraria: Planificação pelo método Geométrico; Produtos Siderúrgicos; Simbologia de solda; Complementos do desenho; Estrutura do desenho técnico; Análise e Interpretação de Desenhos. Noções de AutoCAD.
4. Elementos de Máquinas. Elementos de Fixação; Elementos de Apoio; Elementos de Transmissão; Elementos de Vedação; Elementos Elásticos.
5. Fabricação Mecânica. Ferramentaria: Ferramentas manuais; Traçagem; Serra; Limar e lixar; Aplainamento. Fresagem: Funcionamento da Fresadora; Funcionamento e utilização dos acessórios; Normas de segurança; Cálculo; Escolha e aplicação de ferramentas para fresamento; Projeto e fabricação de peça. Tornearia: Funcionamento do torno mecânico horizontal convencional; Utilização de acessórios; Cálculos; Escolha e aplicação de ferramentas para torneamento; Normas de Segurança; Usinagem de peças: usinagem utilizando pastilhas de metal duro; Operações básicas (faceamento, desbastes, torneamento paralelo e cônico, furação, torneamento interno e externo de peças); Tecnologia de rosca; Abertura de rosca interna e externa simples e múltipla; Programação e operação em torno CNC – comando numérico computadorizado. Teoria da Usinagem.
6. Mecânica Técnica. Matemática aplicada; Sistemas de unidades; Transmissão de movimento; Trabalho, Energia e potência; Tensão mecânica e deformação específica dos corpos; Noções de dimensionamento. Tração, Compressão, Torção, Flexão e Flambagem.
7. Tecnologia da Soldagem. Processo de soldagem e corte a gás; Processo de soldagem eletrodo revestido; Processo de soldagem arco submerso; Processo de soldagem MIG/MAG; Processo de soldagem TIG; Simbologia da soldagem; Preparação de juntas e posições de soldagem; Consumíveis de soldagem; Metalurgia da soldagem.
8. Lubrificantes e lubrificação. Fundamentos da lubrificação. Tipos de lubrificação, suas características e mecanismos. Classificação dos lubrificantes. Lubrificantes líquidos e suas propriedades. Aditivos. Graxas lubrificantes. Lubrificantes sólidos e análise de lubrificantes. Métodos de aplicação de lubrificantes. Seleção de lubrificantes. Planos de lubrificação. Controle da lubrificação.
9. Máquinas térmicas e equipamentos de processo. Bombas; Compressores; Caldeiras; Turbinas; Motores de combustão interna ciclo otto e diesel; Refrigeração e condicionamento de ar.
10. Estática. Condições de equilíbrio de partículas e de corpos rígidos (estruturas, vigas, treliças, máquinas e etc.) no plano e no espaço, envolvendo o cálculo das reações em conexões  padrão em engenharia. Atrito. Cálculo de centróides de linhas, de áreas e de volumes de figuras geometrias simples e compostas. Cálculo de momentos de inércia de chapas planas simples e compostas.
11. Resistência dos materiais. Problemas e métodos da resistência dos materiais. Forças externas e esforços solicitantes nas estruturas constituídas por barras. Tensões. Deformações. Lei de Hooke. Princípio de superposição dos efeitos. Características mecânicas dos materiais. Tração e compressão. Estado simples e duplo de tensões e deformações. Diagramas de esforços solicitantes nas vigas.
12. Gestão da manutenção. Manutenção corretiva, preventiva e preditiva e sua caracterização; organização da manutenção; planejamento, programação e controle da manutenção; Indicadores de equipamentos, custos, administrativos e de serviços; Confiabilidade; Manutenção Produtiva Total.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. CALLISTER, W. D. J. Ciência e engenharia de materiais: uma introdução. 7ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.
2. _________. A técnica da ajustagem: metrologia, medição, roscas, acabamento. São Paulo: Hemus, 2004.1.
3. GIOVANI, Manfe. POZZA, Rino.SCARATO, Giovani. Desenho técnico mecânico: curso completo para as escolas técnicas e ciclo básico das faculdades de engenharia, 1. São Paulo: Hemus, c2004.
4. SHIGLEY, Joseph E.. Elementos de máquinas. Livros Técnicos e Científicos Editora, vol. 1 e 2.
5. FERRAREZI, Dino. Fundamentos da usinagem dos metais, Edgar Blucher, 1995.
6. MELCONIAN, Sarkis. Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais. São Paulo: Erica, 1998.
7. MARQUES, Paulo Villani; BRACARENSE, Alexandre Queiroz; MODENESI, Paulo José. Soldagem: fundamentos e tecnologia. 2. ed. rev. e ampl. Belo Horizonte: UFMG, 2007.
8. CARRETEIRO, R. P., BELMIRO, P. N. Lubrificantes & lubrificação industrial. Rio de Janeiro: Interciência, 2006.
9. MORAN, M.J.; SHAPIRO, H.N., 2009. Princípios de Termodinâmica para Engenharia, 6ª 10. edição, LTC Editora;
11. R. C. Hibbeler, 2005, Estática – Mecânica para engenharia, Pearson, SP.
12. HIBBELER, R. C. Resistência dos materiais. São Paulo: Pearson, 2004;
13. KARDEC, Alan; XAVIER, Júlio Aquino Nascif. Manutenção: função estratégica. 2ª ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2007.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 127

ÁREA DE CONHECIMENTO: MECÂNICA II
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

1. Controle Dimensional: Vocabulário da metrologia; Processos e métodos de medição; Sistemas de medidas; Medição; Instrumentos de medição: régua, paquímetros, micrômetros, goniômetros e relógio comparador; Instrumentos de verificação, Calibração e controle; Tolerância e ajuste; Incertezas na medição;
2. Desenho Mecânico: Papel; Linhas; Escalas e símbolos; Perspectivas; Projeções; Cotagem; Cortes; Seções e Detalhes; Rupturas; Vistas auxiliares; Parafusos, porcas e arruelas; Rebites; Molas; Polias; Eixos; Engrenagens; Caldeiraria: Planificação pelo método Geométrico; Produtos Siderúrgicos; Complementos do desenho; Estrutura do desenho técnico; Análise e Interpretação de Desenhos;
3. Elementos de Máquinas: Elementos de Fixação; Elementos de Apoio; Elementos de Transmissão; Elementos de Vedação; Elementos Elásticos;
4. Fabricação Mecânica: Movimentos e grandezas nos processos de usinagem; Geometria da cunha de corte; Mecanismo de formação do cavaco; Forças e potências de corte; Materiais para ferramentas; Avarias e desgastes da ferramenta; Usinabilidade dos materiais; Fluidos de corte, Furação; Fresamento;
5. Tecnologia da Soldagem: Processo de soldagem e corte a gás; Processo de soldagem eletrodo revestido; Processo de soldagem arco submerso; Processo de soldagem MIG/MAG; Processo de soldagem TIG; Simbologia da soldagem; Preparação de juntas e posições de soldagem; Consumíveis de soldagem; Metalurgia da soldagem;
6. Gestão da manutenção: Conceito de manutenção; Gestão pela qualidade total; Como melhorar a utilização dos recursos de manutenção; Qualidade na manutenção;
7. Planejamento e controle da manutenção: Planejamento da manutenção; Programação, organização e controle da manutenção; Prioridade no atendimento;
8. Manutenção industrial: Manutenção industrial corretiva, preventiva e preditiva. Histórico de manutenção dos equipamentos;
9. Manutenção de conjuntos e equipamentos: Análise de falhas. Problemas operacionais típicos e manutenção de conjuntos e equipamentos industriais e de processo;
10. Fundamentos da lubrificação: Tipos de lubrificação, suas características e mecanismos. Tribologia e definição de atrito. Classificação dos lubrificantes. Lubrificantes líquidos e suas propriedades. Aditivos. Graxas lubrificantes. Lubrificantes sólidos e análise de lubrificantes.
Métodos de aplicação de lubrificantes. Seleção de lubrificantes. Planos de lubrificação. Controle da lubrificação.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.

1. LIRA, Francisco Adval de. Metrologia na indústria. São Paulo: Érica, 2006. 246 p. ISBN 857194783X (broch.).
2. INMETRO. Vocabulário internacional de metrologia: conceitos fundamentais e gerais e termos associados (VIM). 4. ed. Rio de Janeiro: Inmetro, 2008. 78 p. Disponível em: <https://biblioteca2.ifes.edu.br/vinculos/000004/0000041C.PDF>. Acesso em : 2 set. 2010. 3. AGOSTINHO, Oswaldo Luiz; RODRIGUES, Antonio Carlos dos Santos; LIRANI,
João. Tolerâncias, ajustes, desvios e análise de dimensões. São Paulo: Edgard Blücher, 295 p. 1977.
4. MAGUIRE, D. E.; SIMMONS, C.H. Desenho técnico. São Paulo: Hemus, 2004. 257 p. ISBN 9788528903966 (broch.).
5. SILVA, Eurico de Oliveira e; ALBIERO, Evandro. Desenho técnico fundamental. São Paulo: EPU, 2009. 130 p. (Coleção desenho técnico) ISBN 9788512280103 (broch.).
6. FAIRES, Virgil Moring. Elementos orgânicos de máquinas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 658 p. 1966.
7. MELCONIAN, Sarkis. Elementos de máquinas. 10. ed. São Paulo: Érica, 2014. 376 p. ISBN 9788571947030 (broch.).
8. FERRARESI, Dino. Fundamentos da usinagem dos metais. São Paulo: Edgard Blücher, c1970. xliii, 751 p. ISBN 8521202571 (broch.).
9. DINIZ, Anselmo Eduardo; MARCONDES, Francisco Carlos; COPPINI, Nivaldo Lemos. Tecnologia da usinagem dos materiais. 8. ed. São Paulo: Artliber, 2013. 270 p. ISBN 8587296019 (broch.).
10. WAINER, Emílio ; BRANDI, Sérgio Duarte ; MELLO, Fábio Décourt Homem de (Coord.). Soldagem: processos e metalurgia. São Paulo: Edgard Blücher, 1992. 494 p. ISBN 9788521202387 (broch.).
11. BRANCO FILHO, Gil. A organização, o planejamento e o controle da manutenção. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2008. xvii, 257 p. (Série engenharia de manutenção) ISBN 9788573936803 (broch.).
12. XENOS, Harilaus Georgius D´Philippos. Gerenciando a manutenção produtiva: o caminho para eliminar falhas nos equipamentos e aumentar a produtividade. Nova Lima MG: INDG, 2004. 302 p. ISBN 8598254185 (broch.).
13. SANTOS, Valdir Aparecido dos. Manual prático da manutenção industrial. São Paulo: Ícone, 1999. 301 p. ISBN 8527405709 (broch.).
14. AFFONSO, Luiz Otávio Amaral. Equipamentos mecânicos: análise de falhas e solução de problemas. 3. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2012. xiv, 387 p. ISBN 9788541400367 (broch.).
15. CARRETEIRO, Ronald P.; BELMIRO, Pedro Nelson A. Lubrificantes e lubrificação industrial. Rio de Janeiro: Interciência, 2006. xxviii, 504 p. ISBN 8571931585 (broch.).

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 128

ÁREA DE CONHECIMENTO: MECÂNICA III
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

1. Motores de Combustão Interna;
1.1. Motor de combustão interna com cilindro alternativo; Funcionamento, classificação, curvas características;
1.2. Funcionamento do motor ciclo Otto: Definições, ciclo 2 tempos, ciclo 4 tempos, formação da mistura, ignição;
1.3. Funcionamento do motor ciclo Diesel: Definições, formação da mistura, combustão;
1.4. Motores Rotativos;
1.5. Motores Híbridos;
2. Lubrificantes e Combustíveis;
2.1. Óleos para motor e transmissão: Origem, classificação, aditivos, manutenção;
2.2. Fluidos de freio e aditivos para radiador;
2.3. Graxas lubrificantes;
2.4. Combustíveis para ciclo Otto;
2.5. Combustíveis para ciclo Diesel;
2.6. Combustíveis alternativos e fontes alternativas de energia;
3. Sistemas do Chassis;
3.1. Suspensão: Tipos e classificação, molas e amortecedores, geometria;
3.2. Direção: Comportamento direcional, tipos de caixas de direção, geometria;
3.3. Rodas e Pneus;
3.4. Dinâmica do veículo: dinâmica longitudinal, aceleração e frenagem, comportamento em curva;
4. Transmissão;
4.1. Caixas de mudanças manuais;
4.2. Transmissões automáticas;
4.3. Transmissão tipo CVT;
4.4. Sistema diferencial;
5. Sistemas elétricos;
5.1. Sistemas de ignição;
5.2. Geração de energia elétrica;
5.3. Sistema de partida;
5.4. Esquemas elétricos e simbologias;
5.5. Gerenciamento eletrônico;
6. Sistemas auxiliares do Motor;
6.1. Arrefecimento;
6.2. Filtragem de ar;
6.3. Turboalimentadores e sobrealimentadores;
6.4. Sistemas de redução de emissões;
6.5. Sistemas de escapamento;
7. Sistemas de Segurança;
7.1. Sistemas de freios;
7.2. Freio ABS;
7.3. Controle de tração;
7.4. Controle de estabilidade;
7.5. Sistemas auxiliares de frenagem;
7.6. Freio à ar comprimido;
8. Carrocerias;
8.1. Tipos e dimensões: Automóveis e veículos comerciais;
8.2. Aerodinâmica;
8.3. Iluminação;
8.4. Sistemas passivos de segurança.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.

1. BOSCH, Robert. Manual de tecnologia automotiva. São Paulo: Edgard Blücher, 2005.
2. CANALE, Antonio Carlos. Automobilística: dinâmica, desempenho. São Paulo: Érica, 1989.
3. MILIKEN, Willian F.; MILIKEN, Douglas L. Race car vehicle dynamics. Warrendale: Society of Automotive Engineers, 1995.
4. GILLESPIE, Thomas D. Fundamentals of vehicle dynamics. Warrendale: Society of Automotive Engineers, 1992.
5. PENIDO FILHO, Paulo. Os motores a combustão interna: para curso de máquinas térmicas, engenheiros, técnicos e mecânicos em geral que se interessam por motores. Belo Horizonte: Lemi, 1983.
6. REIMPELL, Jörnsen; STOLL, Helmut; BETZLER, Jürgen W. The Automotive Chassis. Oxford : Butterworth Heinemann, 2001.
7. CARRETEIRO, Ronald P.; BELMIRO, Pedro Nelson A. Lubrificantes e lubrificação industrial. Rio de Janeiro: Interciência, 2006.
8. BORGNAKKE, C. Fundamentos da termodinâmica. São Paulo: Blücher, 2013.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 129

ÁREA DE CONHECIMENTO: MECATRÔNICA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

1. Circuitos: Circuitos elétricos e eletrônicos, sistemas pneumáticos, controle e automação, processamento digital de sinais, arquitetura de computadores, elementos de circuitos; Leis de Kirchhoff; análise nodal e por malha; circuitos em corrente contínua e em corrente alternada; circuitos com acoplamentos; solução de circuitos no tempo e na frequência. conversores CC-CC, CC-CA, CA-CC e CA-CA; controle eletrônico de máquinas elétricas;
2. Controle: Controle e análise de Sistemas Lineares; Controlador Lógico Programável; Redes Industriais; Robótica e Sistema SCADA; Representação de sistemas de controle por diagramas de blocos; Análise de sistemas de controle contínuos e discretos em regime permanente: precisão e sensibilidade; Estabilidade de sistemas de controle contínuos e discretos: métodos de Routh-Hurwitz, Jury, Nyquist e Bode; Estruturas básicas de controladores; Projeto de controladores contínuos e discretos: método de Ziegler-Nichols; Projeto usando o lugar das raízes; Projeto usando métodos freqüências, controlador PID, compensação de atraso; Sistemas lineares – Sinais e sistemas contínuos; Sistemas lineares contínuos e invariantes no tempo; Série de Fourier; Transformada de Fourier; Transformada de Laplace; Funções de transferência e representação por diagrama em blocos; Resposta em freqüência de sistemas lineares e invariantes no tempo; Sistemas amostrados e transformada Z;
3. Sistemas Pneumáticos e Eletropneumáticos: Condicionamento de ar comprimido (produção, distribuição e preparação), Simbologia funcional, Válvulas de vazão e pressão, e válvulas direcionais, Atuadores lineares e rotativos, Temporizadores, sensores e contadores pneumáticos, Circuitos básicos e seqüenciais pelo método intuitivo, Circuitos seqüenciais pelo método sistemático cascata, Circuitos seqüenciais pelo método sistemático passo a passo, Acionamento Elétrico, Componentes do Circuito Elétrico e Sensores;
4. Tecnologia de Automação de Processos: Controladores Lógicos Programáveis (CLP’s); Entradas e saídas de sinais e comandos (classificação e aplicações); Redes Industriais (Foundation Fieldbus, Profibus, ControlNet, DeviceNet) e Arquitetura de Sistemas de Automação Industrial (controle centralizado “versus” controle distribuído, protocolos de comunicação, limitações físicas das redes industriais); Quadros de Comando de Motores (inversores de freqüência, dispositivos de monitoração e de proteção);
5. Programação de CNC e CLP: Código G (CNC) RS-274 e proprietários, Step-NC, linguagens de Programação para Controladores Lógicos-Programáveis Linguagens Tabulares, Textuais e Gráficas; Estruturas Sintáticas-Semânticas das Linguagens para CLP’s (Norma IEC 61131-3);
6. Automação da Manufatura: Sistemas Integrados de Manufatura, Tecnologias de Comando Numérico, Processos de Fabricação, Integração CAD/CAPP/CAM, Projeto STEP, Sistemas de Produção, Manufatura Integrada por Computador (CIM), Planejamento de Processos,
Robótica Industrial, Sistemas de Planejamento e Gestão da Produção (MRP, MRPII, OPT, Just-in-Time, ERP, entre outros) e Redes de Comunicação Industrial.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.

1. IRWIN, D., Análise de Circuitos em Engenharia, 4ª edição, São Paulo, Makron Books, 2000.
2. BOYLESTAD, R., Introdução à Análise de Circuitos, 10ª edição, São Paulo, Pearson. 2004.
3. GATA, K. Engenharia de Controle Moderno. Editora Prentice Hall.
4. CASTRUCCI, P.L.; BITTAR, A.; SALES, R. M. Controle Automático, 1ª edição, São Paulo, Editora LTC, 2011.
5. SOLOMAN, S. Sensores e Sistemas de Controle na Indústria, 2ª edição, São Paulo, Editora LTC, 2012.
6. FIALHO, A. B., Automação Pneumática – Projetos, Dimensionamento e Análise de circuitos, 7ª edição, São Paulo, Editora Erica, 2011.
7. ARAÚJO, C.; CRUZ, E. C. A.; BONCORSO, N. G. CHOUERI, S. J.; NOLL, V., Automação Eletropneumática, 12ª edição, São Paulo, Editora Érica, 2013.
8. LUGLI, A. B.; SANTOS, M. M. D. Redes industriais para automação industrial: as-i, profibus e profinet, 1ª edição, São Paulo, Editora Érica, 2010.
9. LUGLI, A. B.; SANTOS, M. M. D. Redes Industriais: Características, Padrões e Aplicações, 1ª edição, São Paulo, Editora Érica, 2014.
10. FILLIPO FILHO, G. E. F.; DIAS, R. A., Comandos Elétricos – Componentes Discretos, Elementos de Manobra e Aplicações, 1ª edição, São Paulo, Editora Érica, 2014.
11. NASCIMENTO JÚNIOR, G. C., Comandos Elétricos – Teoria e Atividades, 1ª edição, São Paulo, Editora Érica, 2010.
12. PRUDENTE, F., Automação Industrial – PLC: Programação e Instalação, 2ª edição, São Paulo, Editora LTC, 2011.
13. FRANCHI, C.M., CAMARGO, V. L. A. de., Controladores Lógicos Programáveis – Sistemas Discretos, 2ª edição, São Paulo, Editora Érica, 2009.
14. SILVA , S. D. da, Programação de Comando Numérico Computadorizado – Torneamento, 8ª edição, São Paulo, Editora Érica, 2009.
15. CORRÊA, A. H.; CORRÊA, C. A., Administração de Produção e Operações: Manufatura e Serviços – Uma Abordagem Estratégica, 3ª edição, São Paulo, Editora Atlas, 2012.
16. ROMEIRO FILHO, E., Sistemas Integrados de Manufatura: Para Gerentes, Engenheiros e Designers, 1ª edição, São Paulo, Editora Atlas, 2015.
17. GROOVER, M. P., Automação industrial e sistemas de manufatura, 3ª edição, São Paulo, Editora Pearson Prentice Hall, 2011.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 130

ÁREA DE CONHECIMENTO: PEDAGOGIA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Formação de professores.
2. Pensamento pedagógico contemporâneo.
3. Tendências Pedagógicas.
4. Educação e Movimentos Sociais.
5. Educação Especial e Inclusão.
6. Avaliação Educacional.
7. Psicologia da educação.
8. Organização da Educação Brasileira.
9. Didática.
10. Novas Tecnologias da Educação.
11. Docência no Ensino Superior.
12. Educação Profissional, Técnica e Tecnológica.
13. Políticas Públicas e Educação.
14. Educação de Jovens e Adultos.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. PIMENTA, Selma Garrido. Didática e formação de professores: percursos e perspectivas no Brasil e em Portugal. São Paulo: Cortez, 2011.
2. PIMENTA, Selma Garrido. Professor Reflexivo no Brasil. Gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2015.
3. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Ed. Paz e Terra.
4. FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Ed. Paz e Terra.
5. MOURA, Dante Henrique. Trabalho e Formação Docente na Educação Profisisonal. Curitiba: IFPR-EAD, 2014.
6. LIBANEO, José Carlos. Democratização da Escola Pública: a pedagogia crítico-social dos conteúdos. Loyola, 2001.
7. MACHADO, Rosângela. Educação Especial na Escola Inclusiva. Políticas, Paradigmas e Práticas. Cortez, 2012.
8. FREITAS, Luiz Carlos de; SORDI, Mara Regina Lemes; MALAVASI, Maria Marcia Sigrist; FREITAS, Helena Costa Lopes de. Avaliação educacional: Caminhando pela contramão. 5ª Ed. Vozes, 2012.
9. GOHN, Maria da Glória. (org.). Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. Petrópolis, RJ, Vozes, 2010.
10. GADOTTI, Moacir. Pensamento pedagógico brasileiro. São Paulo: Ática, 2004.
11. OLIVEIRA, R.P e ADRIÃO,T. (org. ) Organização do ensino no Brasil: níveis e modalidades na Constituição Federal e na LDB. São Paulo: Xamã, 2002.
12. SAVIANI, Nereida. Saber Escolar, Currículo e Didática problemas da unidade conteúdo/método no processo pedagógico. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2000.
13. BOCK, Ana Mercês Bahia; FURTADO, Odair; TEIXEIRA, Maria de Lourdes Trassi. Psicologias: uma introdução ao estudo de Psicologia. 13ª ed. São Paulo: Saraiva, 1999.
14. ALVES, Rubem; CECCON, Cláudia. Conflitos na escola – Modos de transformar. São Paulo: IMESP, 2009.
15. CANDAU, Vera M. A. Rumo a uma nova didática. Petrópolis: Vozes, 2001.
16. PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2014.
17. ALVES, Maria do Rosário do Nascimento Ribeiro. Educação de Jovens e a Adultos: Parábola, 2008.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 131

ÁREA DE CONHECIMENTO: PORTUGUÊS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. O Novo Acordo Ortográfico em vigor no Brasil.
2. Verbos regulares, irregulares, anômalos e defectivos.
3. Análise morfossintática e morfossemântica dos períodos simples e compostos.
4. Concordâncias verbal e nominal.
5. Regências verbal e nominal.
6. Crase.
7. Figuras de palavras, de sintaxe e de pensamento.
8. Elementos coesivos e coerência textual.
9. Formalidade e informalidade da língua portuguesa no Brasil.
10. Diferenças entre texto literário e não literário.
11. Gêneros discursivos e discursos direto, indireto e indireto livre.
12. Intertextualidade.
13. Leitura e Interpretação de textos literário e não literário.
14. Estilos de época na Literatura, do século XIX aos dias atuais.
15. Poesia e prosa modernas no Brasil.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
2. BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.
3. BOSI, Alfredo. História concisa da Literatura Brasileira. 41. ed. São Paulo: Cultrix, 2009.
4. BRAGA, Rubem. 200 crônicas escolhidas. 35. ed. Rio de Janeiro: Record, 2013.
5. CIPRO NETO, Pasquale. Nossa Língua em Letra e Música. São Paulo: Publifolha, 2003.
6. CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova Gramática do Português contemporâneo. 6. ed. Rio de Janeiro: Lexicon, 2013.
7. FIORIN, José Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação. 5. ed. São Paulo: Ática, 2008.
8. GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 26. ed. Rio de Janeiro, 2006.
9. HOMEM, Wagner; LA ROSA, Bruno de. História das canções: Vinícius de Moraes. São Paulo: Leya, 2013.
10. KOCH, Ingedore G. V. Introdução à Linguística Textual. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
11. LISPECTOR, Clarice. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
12. LISPECTOR, Clarice. Todos os contos. Rio de Janeiro: Rocco, 2016.
13. MARCONDES, Danilo. Textos básicos de linguagem: de Platão a Foucault. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.
14. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Linguística de texto: o que é e como se faz?. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.
15. SQUARISI, Dad; SALVADOR, Arlete. Escrever melhor. São Paulo: Contexto, 2008.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 132

ÁREA DE CONHECIMENTO: PORTUGUÊS/INGLÊS
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Gramática (Língua Portuguesa): linguagem, língua e fala; variações linguísticas; fonética; classes gramaticais; ortografia oficial corrente; emprego do acento indicativo de crase; pontuação; sintaxe do período e da oração; relações de concordância e de regência; colocação pronominal.
2. Literatura (Língua Portuguesa): teoria literária; concepções de literatura; gêneros literários; poética: versificação; literatura portuguesa (Trovadorismo ao Classicismo); literatura brasileira (Quinhentismo às produções contemporâneas).
3. Semântica e Estilística (Língua Portuguesa): elementos do processo de comunicação; funções da linguagem; figuras de linguagem; sinonímia e antonímia; hiperonímia e hiponímia; homonímia; paronímia; polissemia e ambiguidade.
4. Gramática (Língua Inglesa): comparative and superlative; conditional sentences; determiners and quantifiers; idioms; modal verbs; nouns, pronouns, adjectives, adverbs, conjunctions and prepositions; passive voice; phonetics; phrasal verbs; verb tenses; reported speech.
5. Textualidade (Ambas as Línguas): coesão e coerência textuais; compreensão e interpretação de gêneros discursivos variados; tipos discursivos; informatividade; intencionalidade; intertextualidade e polifonia.
6. Fundamentos Educacionais (Ambas as Línguas): Parâmetros Curriculares Nacionais.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico. São Paulo: Loyola, 1999.
2. BRASIL. MEC. PCNs. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC; Secretaria da Educação Média e Tecnológica, 1999.
3. BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 49. ed. São Paulo: Cultrix, 2013.
4. BROWN, H. Douglas. Teaching by principles. An interactive approach do Language Pedagogy. Second edition. San Francisco: Longman, 2001.
5. CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1993.
6. CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 4.ed. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2007.
7. GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 26.ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2006.
8. GERALDI, João Wanderley. Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
9. GETHIN, Hugh. Grammar in context: Proficiency Level English. 3.ed. China: Longman,1996.
10. HEWINGS. Martin. Advanced grammar in use. 6.ed. Italy: Cambridge University Press, 2001.
11. KOCH, Ingedore G. V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.
12. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2010.
13. MURPHY, Raymond. Essential grammar in use. Second Edition. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.
14. SWAN, Michael. Oxford pocket basic English usage. 5.ed. China: Oxford University Press, 1997.
15. VINCE, Michael. Macmillan English Grammar in context. Oxford: Macmillan, 2008.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 133

ÁREA DE CONHECIMENTO: PRODUÇÃO CULTURAL
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Conceitos de Cultura e Ação cultural.
2. Aspectos específicos da produção cultural.
2.1. Planejamento e administração cultural.
2.2. Gestão da produção cultural.
2.3. Gestão da política cultural.
2.4. Produção, edição, gerenciamento de projetos culturais.
3. Financiamento da produção cultural.
3.1. Economia da cultura.
3.2. Leis de Incentivo à cultura.
4. Aspectos jurídicos da produção cultural.
5. Aspectos relevantes no processo de pós-produção cultural.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:
A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. COELHO, Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo: Fapesp/ Ed. Iluminuras,1997.
2. DRUMMOND, Alessandra, NEUMAYER, Rafael (coord.). Direito e cultura: aspectos jurídicos da gestão e produção cultural. Belo Horizonte: Artmanagers, 2011.
3. FONSECA, Rômulo José Avelar. O avesso da cena: notas sobre produção e gestão cultural. Belo Horizonte: Duo Informação e Cultura, 2008.
4. LARAIA, Roque de Barros. Cultura, um conceito antropológico. 24 ed. [Reimp.]. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.
5. MALAGODI, Maria Eugênia; CESNIK, Fábio de Sá. Projetos culturais: elaboração, administração, aspectos legais, busca de patrocínio. São Paulo:Fazendo Arte Editorial, 1998.
6. OLIVIERI, Cristiane Garcia. Cultura neoliberal, leis de Incentivo como política pública de cultura. São Paulo: Escrituras Editora, 2004.
7. REIS, Ana Carla Fonseca. Marketing cultural e financiamento da cultura: teoria e prática em um estudo internacional comparado. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 134

ÁREA DE CONHECIMENTO: QUÍMICA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Noções de segurança no laboratório de química, equipamentos básicos e vidrarias de laboratório.
2. Estrutura atômica, classificação e propriedades periódicas.
3. Ligações químicas.
4. Ácidos e bases de Lewis, Brönsted-Lowry, Arrhenius.
5. Estequiometria.
6. Propriedades dos gases.
7. pH, tampão e volumetria.
8. Equilíbrios Químicos.
9. Cinética química.
10. Eletroquímica.
11. Leis da termodinâmica.
12. Métodos Cromatográficos.
13. Espectroscopia de absorção molecular e Infravermelho.
14. Ligações químicas e estrutura molecular de compostos orgânicos.
15. Principais classes de compostos orgânicos: grupos funcionais e nomenclatura.
16. Síntese de compostos orgânicos.
17. Estereoquímica.
18. Simetria molecular.
19. A química dos compostos de coordenação.
20. Catálise.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. RUSSEL, J. B., Química Geral vol 1 e 2, Editora Pearson, Porto Alegre, 2004.
2. BROWN, LEMAY, BURSTEN, Química a Ciência Central, Editora Pearson, São Paulo, 2005.
3. ATKINS, P. E JONES, L., Princípios de Química: Questionando a vida moderna e o meio ambiente, Editora Bookman, 2006.
4. KOTZ, TREICHEL, Fundamentos e Reações Químicas vol. 1 e 2, Editora LTC, Rio de Janeiro, 1998.
5. BALL, D. W., Físico-Química volume 1 e 2, Editora Pioneira Thonson Learning, 2005.
6. SKOOG, D.A.; WEST, D.M.; HOLLER, F.J, Princípios de Análise Instrumental, Editora Bookman, São Paulo, 2002.
7. SKOOG, D. A. ET AL., Fundamentos de Química Analítica. Editora Thomson learning, 2006.
8. HARRIS, D., Análise Química Quantitativa, Editora LTC, Rio de Janeiro, 2005.
9. SOLOMONS, GRAHAN, T.W., Química Orgânica vol. 1 e 2, Editora LTC, Rio de Janeiro, 1996.
10. MCMURRY, J., Química Orgânica, Editora Pioneira Thonson, São Paulo, 2005
11. BARBOSA, l. C. A., Introdução à Química Orgânica, Editora Pearson prentice hall, São Paulo, 2004.
12. KOTZ, J.C. & Treichel, P.M. Química e Reações Químicas, Vol. I e II, 5ª Ed.. Rio de Janeiro: Cengage Learning, 2009.
13. BACCAN, N. Godinho, O.E.S. Andrade, J.C. de E Barone, J. S. Química Analítica Quantitativa Elementar, 3a Ed.. São Paulo: Edgard Blucher, 2001.
14. BRADY, J.E. & Humiston, G. E. Química Geral, Vol. I e II. Rio de Janeiro: LTC, 2013.
15. COLLINS, C.H. Braga, G.L. Bonato, P.S. Fundamentos de Cromatografia, 1a Ed.. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.
16. LEE, J. D. Química Inorgânica não Tão Concisa, 5ª Ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1999.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 135

ÁREA DE CONHECIMENTO: SOCIOLOGIA
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Teorias sociológicas clássicas.
2. A relação entre indivíduo e sociedade.
3. Trabalho e sociedade.
4. Teorias políticas clássicas.
5. Estado, partidos políticos e movimentos sociais.
6. Democracia, cidadania e direitos humanos.
7. Cultura política brasileira.
8. Teorias antropológicas clássicas.
9. Diversidade cultural e educação.
10. Sociologia da educação.
11. Metodologias das Ciências Sociais.
12. Ensino de Sociologia: Sociologia como disciplina escolar.
13. Contexto histórico e pedagógico do ensino de Sociologia.
14. Perspectivas políticas e científicas do ensino de Sociologia.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. BOTELHO, André (Org). Sociologia Essencial. São Paulo: Penguim Companhia, 2013.
2. SENNETT, Richard. A Corrosão do Caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 1999.
3. ELIAS, Norbert. A Sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.
4. BAUMAN, Zygmunt e MAY, Tim. Aprendendo a pensar com a Sociologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.
5. MORAIS, Amaury César. Sociologia: Ensino Médio. Disponível em: <https://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7843-2011-sociologia-capa-pdf&category_slug=abril-2011pdf&Itemid=30192>.
6. Dossiê Ensino de Sociologia. Disponível em: <https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/issue/view/299/showToc >.
7. WEFFORT, Francisco C. (organizador). Os clássicos da política – volumes 1 e 2. 7ª edição. São Paulo, Editora Ática, 1996/1998.
8. HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. 26ª edição e 19ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
9. FREYRE, Gilberto. Casa-Grande e Senzala: Formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 51ª edição. São Paulo: Editora Global, 2006.
10. HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: A gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.
11. GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais: Paradigmas clássicos e contemporâneos. 10ª edição. São Paulo: Edições Loyola, 2012.
12. BAUER, Martin W.; GASKELL, George (organizadores). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: Um manual prático. 11ª edição. Petrópolis/RJ: Editora Vozes, 2013.
13. OLIVEIRA, Roberto Cardoso. O trabalho do antropólogo. 2ª edição. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Unesp, 2000.
14. LAPLATINE, François. Aprender antropologia. 15ª reimpressão. São Paulo: Editora Brasiliense, 2003.
15. PILETTI, Nelson; PRAXEDES, Walter. Sociologia da educação: do positivismo aos estudos culturais. São Paulo: Ática, 2010.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 136

ÁREA DE CONHECIMENTO: ZOOTECNIA/ PRODUÇÃO ANIMAL
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Comportamento social das principais espécies zootécnicas.
2. Efeitos do ambiente sobre a produção e reprodução dos animais.
3. Fisiologia ambiental e regulação da temperatura corporal.
4. Manejo ambiental visando maximização da produção animal.
5. Manejo profilático sanitário em bovinocultura de corte/leite, caprino ovinocultura, suinocultura, avicultura, aquicultura, piscicultura e apicultura.
6. Produção Animal na ILPF – Integração Lavoura, Pecuária Floresta.
7. Métodos de análise e amostragem de produtos destinados à alimentação animal.
8. Classificação dos alimentos e suas formas de utilização na alimentação animal.
9. Manejo nutricional e reprodutivo de ruminantes/ não ruminantes.
10. Manejo nutricional e reprodutivo em aquicultura/piscicultura.
11. Manejo em apicultura.
12. Bem estar animal do nascimento ao abate.
13. Fisiologia digestiva de animais ruminantes e não ruminantes.
14. Manejo de pastagens e conservação de forragens.
15. Fundamentos da extensão rural.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. SILVA, Dirceu Jorge. Análise de Alimentos: métodos químicos e biológicos. 3. ed, Viçosa: UFV, 2006
2. EMBRAPA, Pecuária de corte na iLPF: a escolha do componente animal. Disponível em: <https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1013044/pecuaria-decorte-na-ilpf-a-escolha-do-componente-animal>
3. EMBRAPA, Integração Lavoura-pecuária-floresta. Disponivel em: <https://www.embrapa.br/tema-integracao-lavoura-pecuaria-floresta-ilpf/perguntas-erespostas>
4. ROSTAGNO, Santiago. Tabelas Brasileiras para aves e suínos. 3. ed, Viçosa: UFV, 2011 5. COUTO, Regina Helena Nogueira. Apicultura: manejo e produtos por Regina Helana Nogueira Couto e Leomam Almeida Couto. 3. ed. Jaboticabal-SP: FUNEP, 2006.
6. ANDRIGUETO, José Milton et all. Nutrição Animal Vol 1. 4. Ed. São Paulo: NOBEL, 2003.
7. ANDRIGUETO, José Milton et all. Nutrição Animal Vol 2. 4.ed. São Paulo: NOBEL, 2003.
8. FRANDSON, Rowen D. Anatomia e fisiologia dos animais de fazenda. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.
9. REECE, William O. Anatomia funcional e fisiologia dos animais domésticos. 3. ed. São Paulo: Roca, 2008.
10. LANA, Rogério de Paula. Nutrição e alimentação animal (Mitos e verdades). Viçosa: UFV, 2005.
11. RIBEIRO, Silvio Dória de Almeida. Caprinocultura: Criação racional de caprinos. São Paulo: NOBEL, 1997
12. KOZLOSKI, Gilberto Vilmar. Bioquimica dos ruminantes. 3. ed. Santa Maria: UFSM, 2011.
13. BARCHIELLI, Telma Terezinha (editora). Nutrição de ruminantes. 2. ed. Jaboticabal: FUNEP, 2011
14. PIRES, A.V. Bovinocultura de corte: volumes 1 e 2. 1 ed. Piracicaba: FEALQ, 2011.
15. BERCHIELLI, T.T.; PIRES, A.V.; OLIVEIRA, S.G. Nutrição de Ruminantes. 2 ed. Piracicaba: FUNEP, 2011.
16. VAN SOEST, P.J. Nutritional Ecology of Ruminants. 1 ed. Cornell: Cornell University Press, 1994.
17. BROOM, D.M.; FRASER, A.F. Domestic animal behaviour and welfare. Oxford: CABI PUBLICATIONS, 2007.
18. PEREIRA, J.C.C. Fundamentos de Bioclimatologia Aplicados à Produção Animal. 1 ed. Belo Horizonte: FEPMVZ, 2005.
19. SOBESTIANSKY, Y.; WENTZ, I. ;SILVEIRA, P.R.S.; SESTI, L.C. Suinocultura intensiva – produção, manejo e saúde do rebanho. Concordia: EMBRAPA-SPI, 1998.
20. LANNA, G.R.Q. Avicultura. 1 ed. Recife: UFRPE, 2000.
21. VAN HORN, H.H.; WILCOX, C.J.; DeLORENZO, M.A. Large Dairy Management. 1 ed. Madison: American Dairy Science Association, 1992.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 138

ÁREA DE CONHECIMENTO: DIREÇÃO DE ARTE, ESTÉTICA E LINGUAGEM
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. História do Cinema Brasileiro e mundial;
2. Introdução geral à reflexão teórica sobre cinema, desde a formulação clássica (anos 20) até as teorias atuais de meios de comunicação (recepção, audiência, seriação, segmentação, etc).
3. Linguagem audiovisual: Uso expressivo e criativo da linguagem cinematográfica e audiovisual.
4. Referências estéticas e sua adequação aos produtos audiovisuais;
5. Produção de set; Noções de instalação, manutenção e uso de equipamentos de áudio, iluminação e câmeras; operação, monitoramento e captação de som para audiovisual.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. GOMBRICH, E.H. A História da Arte. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1993.
2. CARRIERE, Jean- Claude. A linguagem secreta do cinema. ed. São Paulo: Nova Fronteira, 2005.
3. MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 2003.
4. BERNARDET, Jean-Claude. O que é cinema. 8. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1986.
5. CARRIÈRE, Jean-Claude. A linguagem secreta do cinema. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.
6. XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico. A opacidade e a transparência. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.
7. AUMONT, Jacques. A estética do filme. 1. ed. Campinas: Papirus, 1995.
8. AMIEL, Vincent. A estética da montagem. 1. ed. Lisboa: Edições Texto & grafia, 2007.
9. EISENTEIN, Sergei. A forma do filme. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.
10. AUGUSTO, Maria de Fátima. A montagem cinematográfica e a lógica das imagens. 1. São Paulo: Annablume, 2004.
11. LEONE, Eduardo. Reflexões sobre a montagem cinematográfica. 1. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2005.
12. MASCARELLO, Fernando. História do Cinema Mundial. 3. ed. Campinas: Papirus, 2008.
MASCARELLO, Fernando. História do Cinema Contemporâneo. 1. ed. Campinas: Papirus, 2008.

ÍNDICE DE INSCRIÇÃO: 139

ÁREA DE CONHECIMENTO: AUDIOVISUAL
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
1. Fotografia para audiovisual: A câmera e seus diferentes modelos: funcionamento e operação; estrutura; componentes e acessórios; manutenção preventiva; tomadas de câmera;
2. Áudio: Captação, edição e mixagem sonora; Acústica (elementos de onda, amplitude, frequência, período, velocidade de propagação do som, timbre, altura, eco, reverberação); Operação de softwares de edição e mixagem; Operação de mesa de áudio: edição, mixagem e sonorização; Sonoplastia. Microfones;
3. Realização de produtos audiovisuais: Montar e projetar filmes cinematográficos, manejar equipamentos audiovisuais utilizando nas diversas atividades didáticas, pesquisa e extensão, bem como operar equipamentos eletrônicos para gravação em diversos tipos de mídias.
4. Finalização edição e montagem de produtos audiovisuais. A captação de imagens e sons analógicos e digitais: os diferentes formatos de captação; sistemas e processos; transmissão de sinais; resolução; contraste; luz e cor; áudio
5. Iluminação e montagem para audiovisual: Ambientes, equipamentos, estruturas, acessórios, etc. e suas propriedades na cena. Temperatura de cor, filtros de correção e polarização. Mecânica da iluminação na cena: Luzes chave, de preenchimento, de fundo, contra-luzes e efeitos. Iluminação em 3 pontos, balanceamento de cor e gravação em estúdio. Levantamento dos procedimentos e estruturas básicas para consecução dos trabalhos de iluminação em ambientes diversos;
6. Linguagem audiovisual.
7. Produção técnica e artística:
8. Edição linear e não linear: os tipos de edição; equipamentos; softwares de edição; sistemas de gravação e armazenamento; noções de design e videografismo; a operacionalidade de diferentes ilhas de edição.
9. Conhecimentos sobre videoconferência: tipos de equipamentos, formas de conexão (IP e ISDN – RDSI), principais protocolos de comunicação (áudio e vídeo), configuração de áudio e vídeo e conexão multiponto; e webconferência: criação e interface de uma sala de reuniões, gerenciamento de participantes, compartilhamento de conteúdos e gravação de reuniões.
10. Transmissões de conteúdo ao vivo;
11. Fundamentos da comunicação visual.

SUGESTÃO DE BIBLIOGRAFIA:

A relação a seguir apresenta sugestões consideradas básicas, o que não impede que outras referências sejam utilizadas.
1. MACHADO, Renato Muchon. Som ao vivo: conceitos e aplicações básicas em sonorização. Rio de Janeiro: H. Sheldon, 2001.
2. MANZANO, Luiz Adelmo F. Som-imagem no cinema. 1. ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.
3. COSTA, Fernando Moraes da. Som no cinema brasileiro. 1 ed. São Paulo: 7 Letras, 2008.
4. RODRIGUEZ, Angel. Dimensão sonora da linguagem audiovisual. 1. ed. São Paulo: SENAC, 2006.
5. MOURA, Edgar. 50 anos, luz, câmera, ação. 4. ed. São Paulo: SENAC, 2009.
6. DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico. 8. ed. Campinas: Papirus, 2004.
7. ADAMS, A. A câmera. 4. ed. São Paulo: SENAC, 2000.
8. SOUZA, José Carlos Aronchi de. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São paulo: Summus, 2004.
9. CANNITO, Newton. A televisão na era digital: Interatividade, Convergência e novos modelos de negócio. São Paulo: Summus, 2010.
10. CARVALHO, Alexandre et.al. Reportagem na TV: como fazer, como produzir, como editar. São Paulo: Contexto, 2010.
11. LINS, Consuelo. O documentário de Eduardo Coutinho: Televisão, Cinema e Vídeo. Rio de Janeiro: JZE, 2004.
12. DANCYGER, Ken. Técnicas de edição para cinema e vídeo. 4. ed. São Paulo: Campus, 2007.

Acesse aqui o conteúdo programático publicado no site do Instituto.

APOSTILAS

concurso concurso ifb 2016 cargo auxiliar em administracao 3723.jpg?versao=0 - Concurso IFB 2016: Conteúdo programático atualizado para Professor do Magistério
Concurso IFB 2016
AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO
concurso concurso ifb 2016 cargo nivel medio tecnico comum a todos 3785.jpg?versao=0 - Concurso IFB 2016: Conteúdo programático atualizado para Professor do Magistério
Concurso IFB 2016
NÍVEL MÉDIO – TÉCNICO (COMUM A TODOS)
concurso concurso ifb 2016 cargo nivel superior comum a todos 3786.jpg?versao=0 - Concurso IFB 2016: Conteúdo programático atualizado para Professor do Magistério
Concurso IFB 2016
NÍVEL SUPERIOR – TÉCNICO (COMUM A TODOS)

concurso IFB 2014 300x159 - Concurso IFB 2016: Conteúdo programático atualizado para Professor do MagistérioO concurso IFB 2016 terá validade de 02 (dois) anos, a contar da data de publicação da homologação do resultado final no Diário Oficial da União, podendo ser prorrogado uma vez, por igual período, conforme art. 12 da Lei nº. 8.112/90 e inciso III, art. 37 da CF/88.

Para mais informação acesse: INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA (IFB)


Comentários


CONCURSOS 2020: clique aqui e confira as oportunidades para este ano!
CONCURSOS ABERTOS: veja aqui os editais publicados e garanta a sua vaga!
CONCURSOS DF 2020: principais concursos previstos para o DF em 2020!